Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

Livro que apontou ‘traidor de Anne Frank’ é criticado por órgão judaico

A revelação causou polêmica entre órgãos e especialistas

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 07/02/2022, às 15h47

Anne Frank na escola, por volta de 1940 - Wikimedia Commons
Anne Frank na escola, por volta de 1940 - Wikimedia Commons

Desde a publicação de ‘Diário de Anne Frank’, em 1947, muitas pessoas imaginam e investigam quem revelou o esconderijo da família às tropas nazistas, o que levou à morte da família Frank, exceto Otto.

No entanto, um livro publicado no mês de janeiro, ‘The Betrayal of Anne Frank: A Cold Case Investigation’, com título ‘Quem Traiu Anne Frank?’ no Brasil, disse ter descoberto o suspeito.

O livro indica que Arnold van den Bergh, um advogado judeu de alto escalão em Amsterdam, onde morava Anne Frank, foi quem denunciou a moradia atrás da estante para salvar a própria família.

Porém, a revelação causou polêmica dentro da comunidade judaica, especialmente dentro do órgão Congresso Judaico Europeu, o principal grupo judeu na Europa.

O congresso acredita que a acusação a Arnold van den Bergh, que foi um dos membros fundadores do órgão, explicada no livro publicado pela editora Harper Collins, é um convite à potencial violência antissemita e um certo desrespeito aos sobreviventes do holocausto.

"[A alegação é uma] reivindicação potencialmente incendiária [...] em um momento em que o antissemitismo, a negação e a distorção do Holocausto estão em ascensão", afirmaram no perfil do Twitter, @eurojewcong.

Na rede social, o Congresso Judaico Europeu e especialistas da questão também apontaram que o livro é baseado “em grande parte suposições não comprovadas” e que causaram manchetes e notícias “maliciosas”. Devido a estes aspectos, o órgão solicitou a retirada de ‘Quem Traiu Anne Frank?’.

"Em nossa opinião, a publicação [...] feriu profundamente a memória de Anne Frank, bem como a dignidade dos sobreviventes e vítimas do Holocausto", afirmaram.