Notícias » Mundo

Livro revela que Michael Jackson temia ser assassinado: "pessoas querem me destruir"

A obra mostra ainda alguns detalhes sobre o corpo do astro, que faleceu em 25 de junho de 2009

Vanessa Centamori Publicado em 13/07/2020, às 09h23

Michael Jackson
Michael Jackson - Wikimedia Commons

Um novo livro, lançado em inglês, no último dia 7 de julho, revelou detalhes chocantes sobre Michael Jackson — incluindo que ele escrevia em diários, onde relatou ter medo de ser assassinado. 

A obra se chama Bad: An Unprecedented Investigation into de Michael Jackson Cover-Up e foi escrita pelo jornalista Dylan Howard. Trechos do livro, descritos pelo jornal Daily Mirror, mostram que Michael temia ser morto a qualquer momento.

“Eu temo que alguém esteja tentando me matar. Há pessoas más por todos os lados. Elas querem me destruir e tomar controle das minhas empresas. O sistema quer me destruir pelo meu catálogo… Eu não irei vendê-lo”, escreveu Jackson.

O livro dá ainda detalhes sobre o cadáver de Michael, que morreu aos 50 anos, em 25 de junho de 2009. A obra afirma que o exame de vísceras feito no corpo detectou somente resíduos de cápsulas de vitaminas. No entanto, a causa oficial da morte — alvo de muita controvérsia — foi apresentada na época como sendo uma parada cardíaca causada pela overdose do anestésico Propofol.

Howard escreve também que o astro pop era anoréxico e fazia apenas uma refeição convencional por dia. A autopsia indicou ainda, segundo o jornalista, várias cicatrizes das cirurgias plásticas de Michael Jackson, além de manchas de maquiagem definitiva.

O cantor, segundo o livro de Howard, queria investir seu dinheiro produzindo filmes, sobretudo remakes. Entre eles, 20 mil Léguas Submarinas (1954) e Simbad e a Princesa (1958). Seu plano era ser "o primeiro artista multi-bilionário do mundo”, já que ele tinha a meta de faturar US$ 20 milhões por semana.