Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Hong Kong

Livros infantis sobre ovelhas e lobos leva cinco pessoas a julgamento em Hong Kong

Réus são acusados de publicar material “sedicioso” com as obras para crianças em Hong Kong

Redação Publicado em 06/07/2022, às 10h09

Superintendente do Departamento de Segurança Nacional da Polícia mostra livro infantil - Divulgação/Facebook/Hong Kong Police
Superintendente do Departamento de Segurança Nacional da Polícia mostra livro infantil - Divulgação/Facebook/Hong Kong Police

Cinco pessoas foram levadas à julgamento em Hong Kong ontem, 5, pela publicação de livros infantis que retratam ovelhas e lobos, material literário considerado “sedicioso” pelas autoridades.

Os promotores do caso consideram os animais retratados na série de livros, publicados pela agora extinta União Geral de Terapeutas da Fala de Hong Kong (General Union of Hong Kong Speech Therapists) como uma analogia ao problema vivido entre Hong Kong e China continental.

Segundo a promotora Laura Ng, as obras para crianças mostrariam como os moradores de Hong Kong pretendiam “incitar o ódio” contra os chineses do continente, mostrando como os dois grupos seriam hostis um com o outro.

“Os moradores de Hong Kong são minorias vulneráveis, os governantes chineses são de sangue frio, totalitários e brutais, e os chineses do continente são bandidos”, acrescentou.

Ela ainda alegou que os autores afirmaram abertamente que se basearam na turbulência política da região para escreverem as obras, assim como os protestos que começaram em 2019 após o anúncio de um projeto de extradição.

Prisão dos autores

De acordo com o jornal britânico The Guardian, os sindicalistas responsáveis pela publicação dos livros foram presos em julho do ano passado e tiveram pedidos de fiança negados, estando em custódia desde então.

Os dois homens e três mulheres com idades entre os 20 anos foram acusados de “conspiração para imprimir, publicar, distribuir, exibir e/ou reproduzir publicações sediciosas”, podendo ser condenados a pena máxima de dois anos de prisão.