Notícias » Guerras

Maioria dos millennials considera provável que um ataque nuclear ocorra nos próximos 10 anos, diz estudo

Pesquisa realizada com pessoas que têm entre 20 e 35 anos também mostra que 47% dos entrevistados acreditam que uma Terceira Guerra Mundial irá acontecer. Confira os outros dados!

Fabio Previdelli Publicado em 16/01/2020, às 14h34

Atores vestidos como líderes religiosos Ali Chamenei, Angela Merkel e Donald Trump realizam uma ação de teatro de rua como parte de uma manifestação anti-guerra
Atores vestidos como líderes religiosos Ali Chamenei, Angela Merkel e Donald Trump realizam uma ação de teatro de rua como parte de uma manifestação anti-guerra - Getty Images

Uma pesquisa realizada pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), que foi divulgada nesta quinta-feira, 16, aponta que 54% das pessoas entre 20 e 35 anos, os chamados millennials, consideram plausível que um ataque nuclear ocorra na próxima década.

O relatório também indica que 47% das pessoas — na mesma faixa etária — considera provável que uma Terceira Guerra Mundial aconteça. Entretanto, 46% delas imaginam o oposto. Os outros 7% não souberam opinar.

A pesquisa “Os millennials e a guerra”, foi realizada com mais de 16 mil pessoas em 16 países diferentes — sendo eles afetados ou não por guerras e conflitos dentro e fora de suas fronteiras. As entrevistas foram feitas entre junho e outubro de 2019.

"Os millennials veem a perspectiva de uma guerra catastrófica como uma possibilidade real no decorrer de suas vidas", declarou Peter Maurer, presidente da CICV, em documento oficial da entidade. "É alarmante que quase metade dos entrevistados considerem provável que se inicie uma Terceira Guerra Mundial no futuro, enquanto a maioria pensa que haverá um ataque nuclear nos próximos 10 anos".

Millennial não consideram armas nucleares algo aceitável

O relatório da CICV também revelou que 84% dos entrevistados acreditam que armas nucleares não são aceitáveis em nenhuma hipótese. Eles disseram ser contra quaisquer usos de armas biológicas ou químicas em situação de conflito — a taxa de reprovação é de 83% e 81%, respectivamente.

Aproximadamente 64% dos entrevistados se demonstraram a favor da eliminação das armas nucleares pelos países que as utilizam. Além do mais, 59% das pessoas pensam que os países que não desenvolveram essa tecnologia jamais deveriam obter esse tipo de armamento.

Outros dados relevantes

Os pesquisadores também questionaram a opinião dos entrevistados sobre a substituição de combatentes humanos por drones ou robôs: 36% acreditam que a troca irá piorar o número de civis mortos; 32% pensam o contrário, que elas irão reduzir; 24% disseram que não haverá diferenças e 8% não souberam opinar.

Sobre a necessidade de impor limites as guerras, com base no direito internacional humanitário: 75% concordaram, 16% disseram que não é preciso que exista limites e 9% não quiseram opinar.