Notícias » Arqueologia

A mais antiga do mundo: Arte rupestre de 45.500 anos é encontrada na Indonésia

Com 136 centímetros de comprimento e 56 de altura, pintura representa um javali em tamanho real. Obra foi encontrada em uma região isolada que só é acessível no período de seca

Fabio Previdelli Publicado em 14/01/2021, às 12h49

Arte rupestre encontrada na Indonésia
Arte rupestre encontrada na Indonésia - Divulgação

Ontem, 13, um artigo publicado na revista Science Advances divulgou um dos achados mais impressionantes de todos os tempos na arqueologia: a descoberta da pintura rupestre mais antiga do mundo. 

Com pelo menos 45.500 anos, a representação de um javali em tamanho real foi encontrada no atual território da Indonésia. O achado é a evidência mais antiga de um assentamento humano na região.  

Segundo Maxime Aubert, da Universidade Griffith da Austrália, que é co-autor do estudo, a obra de arte foi encontrada em 2017 na ilha de Celebes, pelo doutorando Basran Burhan, que a viu quando participava junto a uma equipe de explorações na região, que eram conduzidas pelas autoridades indonésias.  

A pintura foi encontrada em uma área isolada, acessível apenas depois de uma caminhada por mais de uma hora da estrada mais próxima. Além do mais, a região só pode ser transitada no período de seca, já que as chuvas causam inundações no local.  

A arte possui 136 centímetros de comprimento e 56 de altura. Ela foi colorida com um pigmento ocre escuro. O javali representado possui uma pequena crina de pelos, além de ter um par de verrugas faciais em forma de chifre, característica comum em machos da espécie: o javali verrugoso de Celebes.  

Detalhes da arte rupestre / Crédito: Divulgação

 

Já nas patas traseiras do animal existem duas marcas de mão, que parecem estar na frente de dois outros porcos que foram parcialmente preservados. A junção das imagens parece uma cena narrativa.  

"O porco parece estar observando uma briga ou interação social entre dois outros porcos verrugosos", disse Adam Brumm, pesquisador e outro autor do estudo. Há dezenas de milhares de anos, os humanos caçaram os javalis verrugosos. A cena se tornou importante nas pinturas pré-históricas da região, especialmente durante a Idade do Gelo.  

No topo da obra havia um depósito de calcita, que se formou ao longo dos anos. Com a datação de isótopos da série de urânio, descobriu-se que o deposito tinha 45.500 anos. Isso permitiu que os pesquisadores deduzissem que a pintura tem ao menos a mesma idade, "mas poderia ser muito mais antiga porque a datação que estamos usando se refere apenas à calcita da parte superior", explicou Adam

Segundo Brumm, as pessoas que fizeram o desenho "eram completamente modernas, eram como nós, tinham todas as habilidades e ferramentas para fazer qualquer pintura que quisessem".  

Os pesquisadores acreditam que a obra foi feita pelos Homo sapiens, e não por extintas espécies humanas, como os denisovanos. No entanto, nenhuma possibilidade foi descartada ainda.