Notícias Egito Antigo

Mil anos mais velha que as pirâmides, esta é a mais antiga múmia egípcia

Estudo revela que este corpo passou o processo de mumificação egípcia quase 6 mil anos atrás

quarta 22 agosto, 2018
A múmia usada no estudo
A múmia usada no estudo Foto:Reprodução / Raffaella Bianucci da Universidade de Turim

Novos testes realizados numa múmia pré-histórica, que data entre 3 700 a.C e 3 500 a.C, provam que o método de embalsamamento egípcio é bem mais antigo do que se imaginava. E que essa é a mais antiga múmia egípcia conhecida — no sentido de um corpo preservado pela ação humana. 

A múmia no estudo, liderado por Stephen Buckley, especialista em mumificação na Universidade de York, encontra-se no Museu Egípcio de Turim (Itália), desde 1901. Trata-se de um homem que tinha entre 20 e 30 anos quando veio a óbito.

Notícias Relacionadas

Como o corpo foi preservado na Pré-História egípcia, muito antes do período dos faraós, acreditava-se que era uma múmia natural e acidental, ressecada e preservada pela areia quente e o ar seco do deserto. Múmias acidentais podem existir em todas as culturas e épocas. Contudo, novas análises químicas revelam que o corpo passou de fato pelo processo de embalsamento, que era bem parecido com o que seria visto milênios depois.

Anteriormente, acreditava-se que a prática havia sido iniciada quando os egípcios começaram a construir as pirâmides. A primeira delas, a de Djoser, foi concluída em 2 468 a.C.. Isto é, cerca de 1 000 anos antes da múmia estudada. O auge da mumificação seria muito depois, no período romano, a partir de 30 a.C., quando todo mundo que tinha como pagar (classe média alta para cima) era mumificado

“Até o momento, nós nunca tivemos uma múmia pré-histórica que realmente demonstrou - tão perfeitamente através da química - as origens do que se tornaria a mumificação icônica que nós conhecemos”, diz Stephen Buckley em comunicado.

A múmia utilizada no estudo Reprodução/Raffaella Bianucci da Universidade de Turim

O processo de mumificação da “Múmia de Turim” — apelido não exatamente preciso dado pelo museu —, foi realizado utilizando óleo vegetal, resina de coníferas, um extrato de planta aromática e uma mistura de goma de vegetal e açúcar. Quando misturado ao óleo, essa resina proporcionava propriedades antibacterianas, que protegiam o corpo da decomposição. Bem parecido como o processo conhecido historicamente

Thiago Lincolins


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais