Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

Mais de 50°: Paquistão e Índia contabilizam quase 100 mortes por ondas de calor

Mudanças climáticas e o aquecimento global criam estado crítico em região entre os 2 países

Alan de Oliveira| @baco.deoli, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 24/05/2022, às 12h15

Fornecimento de água para pequeno vilarejo na Índia - Getty Images
Fornecimento de água para pequeno vilarejo na Índia - Getty Images

De acordo com autoridades locais, uma onda de calor que abrange a Índia e o Paquistão, já resultou ao menos em 90 mortes. A alta temperatura começou a se registrada ainda no final de abril, quando os termômetros chegaram a registrar mais de 50°.

A região mais intensa, fica por conta do norte da Índia e Sul paquistanês. Incêndios florestais em territórios indianos, desbalanceamento no valor do trigo por perda de safras do cereal e inundações depois de fortes chuvas, são algumas graves consequências das fortes mudanças climáticas, de acordo com informações do portal "G1".

"As pessoas no sul da Ásia estão acostumadas a algum nível de temperaturas quentes. Mas quando chega a 45°C ou mais, fica muito difícil realizar atividades regulares", disse o consultor de risco climático do Centro Climático do Crescente Vermelho da Cruz Vermelha, Roop Singh.

Desbalanço ambiental joga sinal vermelho em cientistas

De acordo com outros cientistas que examinaram as regiões mais afetadas, fica claro que o desbalanço ambiental causado pelo aquecimento global, está causando as temperaturas insuportáveis.

"Em um mundo 2°C mais quente, um evento que ocorria uma vez em 100 anos agora pode ter a frequência de uma vez em 5 anos", classificou a hidroclimatologista Arpita Mondal, do Instituto Indiano de Tecnologia de Bombaim.

Arpita e alguns colegas pegaram dados das temperaturas de março até abril para realizar as comparações com outras décadas no mesmo período, para visualizar como estaria o mundo — e por consequência a região mais afetada entre os dois países — sem os maiores impactos dos danos do ser humano ao meio ambiente.