Notícias » EUA

Manifestantes enviam guilhotina para mansão de Jeff Bezos

A casa milionária do dono da Amazon, em Washington, amanheceu com protestos contra os super-ricos e a política ambígua da empresa

André Nogueira Publicado em 02/07/2020, às 13h00

Manifestação em Washington
Manifestação em Washington - Divulgação/Twitter/Jared Holt

Manifestantes nos EUA montaram e enviaram uma guilhotina para a frente da mansão do magnata Jeff Bezos, denunciando sua principal empresa, a Amazon, por “maltratar funcionários”.  O instrumento moderno, que faz referência à Revolução Francesa, representa a insatisfação popular com o poder de Bezos, que é, hoje, o homem mais rico do mundo.

"A Amazon trabalha diretamente com a polícia para nos vigiar, alimentando medos racistas em nome do lucro", alega um manifestante em Washington, segundo o Independent. A manifestação em frente à casa do CEO reivindicava a abolição da gigante, que praticamente monopoliza a área de atuação.

A guilhotina possuía uma placa com os dizeres "Apoie nossas comunidades pobres. Não nossos homens ricos". Enquanto as primeiras filmagens do protesto simbólico contra os super-ricos eram realizadas, manifestantes cantavam e entoavam discursos no megafone, bloqueando a rua. A multimilionária mansão do empresário é a mais cara da cidade, e toma o edifício que já fora o Museu Têxtil de Washington.

Jeff Bezos / Crédito: Wikimedia Commons

 

Os protestos também criticaram a atuação da Amazon no atual cenário político, reivindicando participar positivamente da campanha Black Lives Matter, escrevendo mensagens de apoio ao movimento, mas destratando seus funcionários e vendendo tecnologia de reconhecimento facial à polícia. Também foi citado no protesto Chris Smalls, um organizador negro que foi demitido após difamações racistas de representações da própria empresa.

Em julho de 2020, Jeff Bezos bateu um recorde: ao receber 6,65 bilhões de dólares em 24h, foi o magnata a adicionar maior quantia à própria fortuna em um dia. Atualmente, o patrimônio do CEO da empresa de varejo (que tem grande crescimento com as compras online proporcionadas pela quarentena) é de US$ 172 bilhões.