Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

Máquina permite transplante de fígado há mais de 3 dias fora de corpo

Inovação empolga a comunidade científica para procedimentos em outros órgãos, veja

Alan de Oliveira | @baco.deoli sob superisão de Publicado em 01/06/2022, às 13h39

Médicos da startup fazendo testes nos fígados - Divulgação/ Liver4life
Médicos da startup fazendo testes nos fígados - Divulgação/ Liver4life

Pesquisadores da startup suíça 'Liver4Life' desenvolveram uma máquina de perfusão que permite tratar fígados danificados por um período de três dias, para depois transplantar o órgão. A máquina é uma imitação da condição humana, permitindo que o fígado continue trabalhando.

Sua composição permeia uma bomba que simula um coração, funcionando como um oxigenador, além de um aparelho de diálise que desempenha a mesma função de um rim. Com isso, o dispositivo é infundido com hormônios e nutrientes que desempenham funções intestinais e pancreáticas.

Assim como o diafragma, a máquina move o fígado na mesma velocidade que a respiração humana. A primeira demonstração do dispositivo ocorreu em janeiro de 2020 por uma equipe multidisciplinar de várias instituições de ensino em Zurique, na Suíça.

Alta dose de medicamentos

Antes de ser colocado na máquina, o fígado é pré-preparado com vários medicamentos para transformá-lo em um órgão funcional. Nas primeiras tentativas, o órgão não era aprovado para transplante pela falta de condições no organismo que o recebia.

A circulação mecânica dos órgãos externos do corpo humano permite a otimização do metabolismo. Além disso, longos testes de laboratório ou de tecido podem ser realizados sem pressão de tempo.

Como foi o procedimento?

Após 72 horas em uma máquina, um fígado foi transplantado para um paciente com câncer em uma lista de espera de transplante na Suíça. Para receber um órgão, o paciente teve que assinar um termo de consentimento, que lhe permitiu passar a frente de outras pessoas na fila. A cirurgia aconteceu em maio de 2021, dada apuração do portal Olhar Digital.

O paciente recebeu alta logo após o transplante sem rejeição do órgão transplantado e agora passa bem. Um ano após a operação, vive uma vida o mais normal possível, dizendo estar agradecido pelo órgão e pela máquina, que, segundo ele,“ irão salvar muitas outras vidas”.

Você pode conferir o estudo completo neste link.