Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Máscara de 9 mil anos do período Neolítico é revelada por museu

A máscara é feita de calcário amarelo-rosa e apresenta características faciais nítidas e pode ter sido usada na Revolução Agrícola; entenda!

A máscara de 9 mil anos exibida por museu - Reprodução / Clara Amit
A máscara de 9 mil anos exibida por museu - Reprodução / Clara Amit

O Museu de Israel em Jerusalém desvendou uma relíquia extraordinária: uma máscara de pedra esculpida durante o Neolítico, há cerca de 9.000 anos. Essa joia arqueológica foi recuperada pela Unidade Anti-Roubo da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) e está sob análise aprofundada pelo Departamento de Arqueologia da Administração Civil na Judéia e Samaria.

Feita de calcário amarelo-rosa, a máscara apresenta características faciais notáveis: traços simétricos, maçãs do rosto proeminentes, um nariz imponente e uma boca que revela a dentição. De acordo com Ronit Lupo, especialista da IAA, "o design da máscara exibe um alto nível de habilidade e precisão na escultura", disse através de um comunicado de imprensa.

Essa descoberta se junta a um seleto grupo de apenas 16 máscaras de pedra do mesmo período, muitas delas encontradas na região sul do deserto do Monte Hebron-Jehuda. As semelhanças em sua produção sugerem que todas pertencem à cultura Pré-Cerâmica Neolítica B (PPNB).

O povo PPNB viveu durante a aurora da Revolução Agrícola, dependendo da domesticação de animais para complementar sua dieta à base de caça e coleta. Evidências arqueológicas em seus assentamentos revelam crânios humanos adornados com camadas de gesso ou enterrados sob o solo de suas habitações.

Culto aos ancestrais

Segundo especialistas, essa prática representa uma das primeiras formas de culto aos ancestrais. A cultura PPNB desapareceu por volta de 8.200 anos atrás, durante o evento de 8.2 ka, um período de resfriamento global que durou cerca de 200 anos, de acordo com o Heritage Daily.

"A descoberta dessa máscara reforça a ideia de que a região sul do Monte Hebron era um centro de produção de máscaras de pedra e, possivelmente, também de atividades religiosas no Neolítico Pré-Cerâmica", afirma um representante da IAA, também no comunicado.