Notícias » Família Real

Meghan Markle praticava bullying com empregados, acusa ex-funcionário

Em uma antiga troca de e-mails, Jason Knauf afirma que a Duquesa tinha "comportamentos inaceitáveis" no palácio de Kensington

Pamela Malva Publicado em 03/03/2021, às 12h50 - Atualizado às 13h00

Fotografia de Meghan Markle em meados de 2018
Fotografia de Meghan Markle em meados de 2018 - Wikimedia Commons

Antes de deixarem a Família Real, Meghan Markle e Príncipe Harry viviam no suntuoso palácio de Kensington. Por lá, segundo o ex-funcionário Jason Knauf, a Duquesa de Sussex praticava bullying com diversos subalternos, de acordo com o UOL.

Em uma reportagem amplamente repercutida, o jornal The Times of London revelou um antigo email enviado por Jason para alguns colegas em meados de 2018. No texto, escrito um mês antes do homem sair do palácio, ele acusa Meghan Markle de "comportamentos inaceitáveis" contra os funcionários da propriedade.

“A Duquesa sempre tem alguém como seu alvo principal. Ela está fazendo bullying com [nome omitido pelo jornal], e buscando formas de destruir a autoconfiança dela”, narra Jason. “Recebemos denúncias e mais denúncias de pessoas que testemunharam comportamentos inaceitáveis da Duquesa em interações com [nome omitido]."

Meghan Markle em entrevista à Oprah / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Frente às acusações, os representantes de MeghanMarkleafirmaram, em nota enviada para o jornal Deadline, que a matéria publicada pelo The Times não se passa de uma “campanha mentirosa coordenada para manchar a imagem da Duquesa”.

Segundo a equipe da atriz, Meghan está “entristecida” com o “ataque ao seu caráter”, dado fato que ela própria já sofreu bullying e “está profundamente comprometida com a missão de apoiar aqueles que já passaram por dores e traumas semelhantes”.

Por fim, os representantes da norte-americana narram que tais acusações não devem abalar a Duquesa. “Ela está determinada a continuar o seu trabalho construindo compaixão ao redor do mundo, e tentando ser um bom exemplo de como fazer o que é certo”, finalizam, na nota publicada, segundo o UOL.