Notícias » Europa

Mensagem de 230 anos gravada em rocha revela morte trágica do século 18

Uma competição que buscava decifrar o código descobriu a história de um marinheiro moribundo

Fabio Previdelli Publicado em 03/03/2020, às 11h16

Os franceses Noel Rene Toudic (à esquerda) e Robert Saligot (à direita) foram os responsáveis pela tradução do escrito
Os franceses Noel Rene Toudic (à esquerda) e Robert Saligot (à direita) foram os responsáveis pela tradução do escrito - Divulgação

Em maio do ano passado, autoridades do vilarejo de Plougastel-Daoulas, na Bretanha, França, resolveram iniciar um concurso para decifrar uma inscrição de 230 anos encontrada em uma rocha que foi descoberta na região costeira.

Com mais de 20 linhas escritas, até então, ninguém foi capaz de desvendar os mistérios por trás das marcações. No entanto, após receberem centenas de cartas, finalmente o real significado da mensagem foi decifrado.

Na última segunda-feira, dia 24, o prefeito da cidade, Dominique Cap, anunciou que duas traduções haviam vencido a competição por decifrarem parcialmente o código e, por isso, dividiriam o prêmio em dinheiro de 2.000 euros — cerca de 9,5 mil reais.

Trecho da mensagem escrita na pedra / Crédito: Divulgação

 

Segundo os vencedores, a rocha, que possui inscrições de 1786 e 1787, e relatava a história de um marinheiro moribundo, chamado Serge, que morreu de forma trágica no mar. "Serge morreu quando, sem habilidade para remar, seu barco foi virado pelo vento", dizia a tradução feita por Noël René Toudic, professor de inglês e especialista em língua celta, que acredita que o homem em questão era semianalfabeto e falava bretão do século 18.

Já a versão do historiador Roger Faligot e do artista Alain Robet, também dizia que o texto havia sido escrito em bretão, no entanto, eles alegam que algumas palavras são galesas. "Ele era a encarnação da coragem e alegria de viver. Em algum lugar da ilha ele foi atingido e está morto", dizia a parte traduzida por eles.

Alguns dos caracteres esculpidos na rocha são letras francesas normais representadas em sentido inverso ou de cabeça para baixo, enquanto outros parecem ser 'Ø' — uma vogal nas línguas escandinavas, incluindo dinamarquês e norueguês.

Conforme já mencionado, o indivíduo que escreveu a mensagem seria semianalfabeto e, portanto, as palavras pretendidas podem ter sido mal transcritas e as letras podem estar mais relacionadas aos sons das palavras do que a própria grafia em questão.

A rocha também apresenta a imagem de um navio completo com velas e um leme, e o que parece ser um coração coberto por uma cruz. As datas que acompanham as marcações incomuns — 1786 e 1787 — são de apenas alguns anos antes do início da Revolução Francesa, que começou em maio de 1789 — sugerindo que esse evento pode estar vinculado a mensagem escrita.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras:

Arqueologia, de Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/36N44tI

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2GHGaWg

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, de Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/36QkWjD

Manual de Arqueologia Pré-histórica, de Nuno Ferreira Bicho (2011) - https://amzn.to/2S58oPL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.