Notícias » Oriente Médio

Mergulhadores do Hamas retiram munições de canhão em navio afundado na 1ª Guerra Mundial

A organização islâmica analisou a embarcação da costa de Gaza por semanas a fim de retirar a pólvora contida nos artefatos

Wallacy Ferrari Publicado em 15/09/2020, às 15h14

Membros do Hamas disparam bombas (à esq.) junto do navio HMS M15 (à dir.)
Membros do Hamas disparam bombas (à esq.) junto do navio HMS M15 (à dir.) - Wikimedia Commons

O Hamas teria resgatado no fundo do mar palestino o navio britânico HMS M15, afundado durante a Primeira Guerra Mundial, e retirado componentes para a fabricação de armas e explosivos na luta contra Israel. O grupo focava a busca em pólvora — visto que as armas da época utilizavam mais deste material — para fabricar foguetes.

Para a realização, o time contratou mergulhadores, que analisaram o local semanas antes de remover munições de canhões desativados. A equipe de mergulho é fixa na atuação do Hamas contra Israel, tendo encontrado o navio pela primeira vez na costa de Gaza durante um exercício de treinamento.

Apesar dos esforços para a retirada — contando com equipamentos de alto desempenho e transporte pesado — a tentativa foi um fracasso; os membros do movimento acreditavam que a proteção da munição havia tornado as balas impermeáveis, fazendo com que a pólvora não molhasse. De fato, a camada protegeu, mas a pólvora perdeu seu efeito após mais de 100 anos de sua fabricação.

O navio HMS M15 exercia a função de monitor na Primeira Guerra Mundial pelo Reino Unido, usado em confrontos o Império Otomano na costa da Palestina. Seu fim ocorreu em 11 de novembro de 1917, quando a embarcação foi atacada pelo submarino alemão UC-38 na costa onde, hoje, é dominada pelo Hamas.