Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / França

Ministro francês é denunciado por agressão sexual: 'Contesto qualquer acusação'

O ministro já acumula três denúncias desde que assumiu o posto, em maio

Redação Publicado em 27/06/2022, às 19h52

Ministro francês em seu primeiro dia no cargo - Christophe Petit-Tesson / EPA
Ministro francês em seu primeiro dia no cargo - Christophe Petit-Tesson / EPA

Uma deputada apresentou nesta segunda-feira, 27, uma denúncia por tentativa de estupro contra o ministro francês da Solidariedade, Damien Abad. Ela é a terceira a acusar o ministro de violência sexual. Um dia depois da nomeação de Abad como ministro da Solidariedade, Autonomia e Pessoas com Deficiência, em 20 de maio, duas mulheres acusaram ele de tê-las estuprado em 2010 e 2011.

Essas denúncias foram divulgadas pelo site de investigação Mediapart e em uma delas, uma mulher havia apresentado duas denúncias, que foram arquivadas. Para a outra, um relatório foi feito pelo Observatório de Violência Sexista e Sexual, mas a Promotoria de Paris havia indicado que não abriria uma investigação por falta de "elementos que permitissem identificar a vítima dos fatos denunciados".

A Promotoria de Paris confirmou que recebeu uma denúncia nesta segunda por tentativa de estupro contra Abad, e que estaria sendo “atualmente sendo analisada”. Ela foi apresentada por uma "centrista eleita", que acusa Abad de tentativa de estupro durante uma festa organizada em sua casa em Paris no primeiro semestre de 2010.

A resposta do ministro

Em uma declaração escrita enviada à imprensa, Abad disse que "mais uma vez, contesto veementemente qualquer acusação de tentativa de estupro ou agressão sexual". E ainda acrescentou: "Não vou deixar sem resposta essas acusações falsas e ultrajantes (...) Pedi aos meus advogados que fizessem uma queixa por denúncia caluniosa".

Em meados de junho, o Mediapart publicou, segundo o G1, o testemunho dessa mulher sob o pseudônimo de "Laëtitia", ela era então presidente de uma federação do movimento juvenil Nouveau Centro (Centro Novo). Na noite dos acontecimentos, segundo seu relato, Damien Abad "ofereceu-lhe um copo" no fundo do qual ela viu "algo": desconfiada, foi cuspir no vaso sanitário.

Ainda segundo ela, Damien estava à sua espera atrás da porta e tudo correu "muito depressa": o eurodeputado a teria "empurrado para um quarto em frente" e depois tentado forçá-la a fazer sexo oral.