Notícias » Tecnologia

Mistérios de catedrais góticas são desvendados com lasers

Historiador de arte usou tecnologia de lasers para entender a construção de obras arquitetônicas da época medieval

Joseane Pereira Publicado em 16/04/2019, às 13h27

Catedral de Chartres, França
Andrew Tallon

Por volta de 1160, o bispo de Paris, Maurice de Sully, encomendava a construção do imenso complexo da Catredal de Notre-Dame. Séculos de construções, reformas e reconstruções se seguiram, e os nomes dos primeiros construtores dessa obra-prima estão perdidos para sempre. Hoje em dia, treze milhões de pessoas visitam anualmente a Catedral, entrando por enormes portas de madeira e se deparando com paredes cercadas de vitrais e um teto apoiado por delicadas costelas de pedra.

Se a sua magnificência é bem aparente, existem muitas estruturas ocultas nessa e em outras construções góticas. Isso é o que tentou desvendar o historiador da arte Andrew Tallon, especialista em tecnologia digital para recriação de edifícios medievais, cujo trabalho tem revolucionado nossa compreensão sobre essas construções. Tallon -- que faleceu em 2018 aos 49 anos vítima de câncer no cérebro -- escaneou mais de 45 edifícios históricos com seus lasers, desconstruindo a arquitetura gótica para compreender a mente dos construtores medievais.

Escaneamento a laser da Catedral de Notre Dame / Divulgação

O poder do laser

Por muito tempo, as ferramentas usadas para medir edifícios medievais eram quase tão antigas quanto os próprios prédios: prumo, cordel, réguas e lápis. Usar esses aparelhos era tedioso e custava horas aos pesquisadores, que não retiravam resultados tão precisos. As digitalizações a laser, com sua grande precisão e capacidade de mapear um grande espaço em período curto, não têm deixado a desejar. Montado em um tripé, o feixe de laser varre o espaço medindo a distância entre o scanner e todos os pontos atingidos. Cada medida é representada por um ponto colorido, que cumulativamente cria uma imagem tridimensional do prédio. "Se você fizer o trabalho corretamente, o escaneamento tem imprecisão de apenas cinco milímetros", explicou Tallon sobre seu trabalho. Dadas as colossais proporções das catedrais, essa conquista é simplesmente notável.

Outros edifícios

As primeiras tentativas de varredura a laser de um edifício gótico se deu em 2001, na Catedral de Beauvais, ao norte de Paris. Os pesquisadores da Universidade de Columbia Peter Allen e Stephen Murray, idealizadores do projeto, tentaram refazer a igreja gótica sem sucesso: "O scanner subiu em uma nuvem de fumaça, e naquele momento as pessoas não sabiam como processar os dados em um modelo tridimensional gerenciável", afirmou Murray à época.

Catedral de Beauvais, França / Créditos: Reprodução

Outro trabalho foi o escaneamento da Catedral Nacional de Washington, DC, feito por Tallon em 2015. Ele procurava evidências de imperfeições propositais na Catedral, seguindo a teoria do historiador William Goodyear de que tais imperfeições conferiam um maior fascínio às catedrais góticas. E falhas intencionais realmente foram encontradas: embora a maior parte da estrutura fosse perfeita, as grandes colunas centrais foram construídas ligeiramente para fora, desalinhando o coro (espaço onde se encontra o altar-mor) da nave (ala central onde se reúnem os fiéis). Para Tallon, na mente desses construtores, "havia um imperativo bíblico, moral para a construção do edifício, porque suas pedras seriam diretamente identificadas com as pedras da Igreja".

"Eu gosto de pensar que este trabalho de escaneamento a laser, e inclusive alguns dos meus estudos mais convencionais, se esclarece com esse importante mundo de espiritualidade. É uma ideia muito bonita", explicou o historiador em vida.