Notícias » Rússia

Misterioso círculo de ossos de mamute, de 20 mil anos, intriga arqueólogos

Pesquisadores buscam entender quem criou essas estruturas, situadas na Rússia, e para que elas serviam

Fabio Previdelli Publicado em 17/03/2020, às 13h20

Anel de ossos de mamutes na Rússia
Anel de ossos de mamutes na Rússia - Divulgação/ Exeter University

Um misterioso anel de ossos gigantescos, construído por nossos ancestrais, tem deixado cientistas perplexos. Apelidado de Bonehenge, em referência ao círculo de pedras na Inglaterra, a misteriosa estrutura é datada de cerca de 20.000 anos atrás — na última Era do Gelo.

O arco, que está situado na planície russa, foi provavelmente construído por caçadores-coletores do Paleolítico — em um período em que as temperaturas, no inverno, atingiam regularmente os 20 graus celsius negativos.

Na região, existem mais de 70 estruturas ósseas, mas acredita-se que este local — chamado de Kostenki 11 —, em especial, seja o mais antigo entre eles. "Essas descobertas lançaram uma nova luz sobre o objetivo desses locais misteriosos", disse Alexander Pryor, da Universidade de Exeter, que liderou o estudo.

Círculo de ossos de mamute na Rússia visto de cima / Crédito: Divulgação/ Exeter University

 

"A arqueologia está nos mostrando mais sobre como nossos ancestrais sobreviveram neste ambiente desesperadamente frio e hostil no clímax da última era glacial”, explica o pesquisador. "A maioria dos outros lugares em latitudes semelhantes na Europa havia sido abandonada nessa época, mas esses grupos conseguiram se adaptar para encontrar comida, abrigo e água".

Apesar de ter ossos de outros animais, a maioria deles são de mamutes, incluindo 51 maxilares inferiores e 64 crânios. Eles foram usados ​​para construir as paredes da estrutura — que mede 10 metros quadrados. Entretanto, também haviam carcaças espalhadas pelo interior do círculo.

Agora, os arqueólogos buscam entender quem criou essas estruturas para que elas serviam. “O que poderia ter trazido antigos caçadores para este lugar?”, questiona Pryor. "Uma possibilidade é que mamutes e humanos possam ter chegado à área em massa, porque havia uma fonte natural que forneceria água líquida descongelada durante o inverno — rara neste período de frio extremo".

Acredita-se que a maioria das comunidades tenha deixado a região devido à falta de presas e recursos vegetais. Provavelmente, isso também levou ao abandono dos círculos ósseos.