Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mona Lisa

Mona Lisa não vai sair do Louvre, decide justiça francesa

Esta não foi a primeira vez que a misteriosa associação International Restitutions tentou retirar obras de arte de museus da Europa, entenda!

Mona Lisa no Museu do Louvre - Getty Images
Mona Lisa no Museu do Louvre - Getty Images

Nesta terça-feira, 14, o Conselho de Estado francês rejeitou o pedido de uma associação que visava retirar a Mona Lisa, artista italiano Leonardo da Vinci, de seu atual local de exibição, o museu do Louvre em Paris.

No último mês, o mais alto tribunal administrativo da França recebeu um pedido da International Restitutions, uma associação de sede e diretores desconhecidos, pedindo a anulação da decisão do rei Francisco I de "apropriar-se" da Gioconda em 1519. 

A organização, que diz agir “em nome dos descendentes dos herdeiros do pintor”, solicitava que a obra-prima do Renascimento, que já causou atritos entre a França e a Itália no passado, fosse “removida” do acervo do Louvre. 

Conforme repercutido pelo jornal O Globo, em sua decisão, o Conselho de Estado afirmou que o pedido é “claramente inaceitável” e condenou a associação a pagar uma multa de 3.000 euros por procedimento “abusivo”.

Outros detalhes

A associação argumenta que busca a recuperação de bens de domínio público em nome de seus supostos “legítimos proprietários”. Contudo, o Conselho de Estado determinou que somente eles teriam o direito de buscar reparação perante a justiça. 

Os juízes administrativos também ressaltaram sua incapacidade de analisar as “decisões” adotadas durante o período da monarquia francesa. É importante ressaltar que pedidos semelhantes feitos pela associação, para obras menos icônicas do que a Mona Lisa, nunca deram certo.

Após cair em desgraça diante dos Médici, Leonardo da Vinci buscou refúgio sob a proteção de Francisco I em 1516. Em troca, ele presenteou o soberano francês com suas obras, recebendo uma pensão generosa. Esses quadros foram integradas às coleções reais e permanem na França desde então.


*Sob supervisão;