Notícias » Brasil

Monark estreia novo podcast em plataforma rival do Youtube

O novo programa chamado "Monarktalks" promete entregar total liberdade de expressão

Alan de Oliveira | @baco.deoli Publicado em 07/04/2022, às 13h42

Monark
Monark - Reprodução/ Vídeo do Youtube

Após ser retirado da produtora de conteúdo “Flow Podcast” por defender a criação de um partido nazista , o influenciador digital Monark assistiu sua carreira passar pela situação mais crítica desde seu início no “Youtube” em 2010, quando gravava vídeos sobre jogos.

Um mês depois de seu desligamento da empresa, o produtor de conteúdo lança um novo podcast (também em formato de vídeo), pela plataforma de vídeos "Rumble", idealizada para ser uma concorrente direta do "Youtube", nove anos atrás, pelo empreendedor canadense Chris Pavlovski - ex-funcionário da "Microsoft".

O intuito da plataforma é ser vista como um espaço totalmente aberto, sem moderação de conteúdo e liberdade de expressão. Devido a isso, expoentes da extrema-direita enxergam o veículo com muito bons olhos, como, o ex-marqueteiro de Donald Trump, SteveBannon.

Aliás, o próprio ex-presidente tem um canal, juntando-se à RussellBrand, comediante americano famoso pelas teorias da conspiração que o já fizeram ser banido de algumas outras plataformas de comunicação.

Recentemente, no dia 4, o site comunicou a chegada de seus servidores e versão no Brasil, junto do anúncio do "MonarkTalks", novo programa de Bruno Aiub e do vlog do escritor Ferréz, aclamado pela obra "Capão Pecado". Uma tentativa de conciliar outros públicos além do senso comum da direita.

Monark divulgou a programação semanal e entre alguns convidados está o deputado federal KimKataguiri, que esteve presente no episódio onde o podcaster defendeu a criação de um partido nazista no Brasil.

De acordo com dados levantados em janeiro deste ano, o "Rumble" consta com o apoio de 39 milhões de usuários por mês, 19% de crescimento em relação ao ano passado e mesmo assim, ainda está distante do "Youtube", que consta com mais de 1,9 bilhões de usuários mensais.