Notícias » Brasil

Moro diz que Bolsonaro “comemorou” soltura de Lula em 2019

Revelação foi dada há pouco pelo ex-ministro em entrevista

Fabio Previdelli Publicado em 02/12/2021, às 10h09

O ex-ministro Sergio Moro
O ex-ministro Sergio Moro - Getty Images

“O presidente [Jair Bolsonaro] comemorou quando o Lula foi solto em 2019”. A polêmica frase foi dita há pouco pelo ex-ministro da Justiça e da Segurança Pública Sergio Moro em entrevista à rádio Jovem Pan Paraná.

Em 2018, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva havia sido condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na ação penal envolvendo um triplex no Guarujá. O petista permaneceu preso por 580 dias. 

O motivo de sua soltura foi uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em novembro de 2019. Na ocasião, o órgão fez uma votação para pôr fim à prisão de condenados em segunda instância — o que era o caso de Lula.

À época, a decisão foi aprovada por 6 votos a 5. Com isso, um dia depois da votação, em 8 de novembro de 2019, o ex-presidente Lula acabou sendo solto por determinação da Justiça Federal. Ele estava detido na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba.

“O presidente não fez nada [para reverter a decisão do STF que determinou o fim de prisão em segunda instância]”, disse Moro na entrevista. O ex-ministro foi o juiz federal que julgou o caso do petista.

E, na verdade, o que a gente sabia é que o Planalto, o presidente [Jair Bolsonaro] comemorou quando o Lula foi solto em 2019 porque ele entendia que aquilo beneficiava ele literalmente. Então, ele não trabalhou para manter a execução em segunda instância", completa

As feridas abertas na relação entre Jair Bolsonaro e Sergio Moro já haviam sido destaques de noticiários essa semana. Conforme relatou a equipe do site do Aventuras na História, Moro relatou, em livro, a “traição injustificável" que o fez romper com Bolsonaro.