Notícias » Reino Unido

Mulher com síndrome de Down perde processo contra lei do aborto

A legislação do Reino Unido permite a realização do procedimento para fetos identificados com a ocorrência genética

Redação Publicado em 23/09/2021, às 11h34 - Atualizado em 24/09/2021, às 07h25

Fotografia de Heidi Crowter
Fotografia de Heidi Crowter - Divulgação/Twitter/@HeidiCrowter95

Nesta quinta-feira, 23, Heidi Crowter, uma mulher portadora da síndrome de Down, perdeu um processo na Suprema Corte a respeito das leis de aborto no Reino Unido. As informações são da BBC.

Heide contesta o Departamento de Saúde e Assistência Social sobre a norma que estabelece um limite de 24 semanas para o procedimento, a menos que “haja um risco substancial” ou a possibilidade do bebê ser “gravemente deficiente”. Segundo a lei, a síndrome de Down está inclusa.

De acordo com a publicação, a mulher alega que a lei não respeita a existência de portadores da síndrome. Além disso, o processo afirma que a interrupção da gravidez até o nascimento — se o feto tiver síndrome de Down — é discriminatório. 

Contudo, na recente decisão, os juízes responsáveis pelo caso concluíram que a legislação não é ilegal e visa encontrar um equilíbrio entre os direitos do nascituro e das mulheres.

Em sua rede social, Crowter recebeu a decisão com tristeza, entretanto, afirmou que não irá desistir: “Este é um dia muito triste, mas vou continuar lutando”, escreveu.