Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arábia Saudita

Mulheres sauditas decidem usar cabelo curto em ato contrário a normas culturais

A Arábia Saudita segue sendo um país controlador, mesmo com novas diretrizes

Redação Publicado em 23/06/2022, às 20h06

Imagem ilustrativa - Didgeman, via Pixabay
Imagem ilustrativa - Didgeman, via Pixabay

Na Arábia Saudita, um cenário nunca imaginado começou a acontecer, de modo lento, a adaptação dos cortes masculinos em mulheres. Safi é uma das mulheres que se adaptou ao corte, quando começou seu novo trabalho em um hospital da cidade de Riade. Ela aderiu ao corte pela praticidade.

A mulher de 26 anos foi a um salão cortar o cabelo longo e ondulado, aderindo a um estilo cada vez mais popular entre as jovens sauditas: o "boy", como é conhecido localmente. Influenciadas pelas mudanças sociais impulsionadas nos últimos anos pelo príncipe Mohamed bin Salmán, algumas mulheres até tiram o véu, mas não muito mais que isso.

Safi, que pediu para não ser identificada, contou à AFP que o novo corte a protege contra olhares masculinos indesejados: "As pessoas gostam de ver a feminilidade da mulher". "Este estilo é como um escudo que me protege delas e me dá forças".

A cabelereira Lamis, que também pediu para não ser identificada, contou que "a demanda aumentou, principalmente porque as mulheres estão cada vez mais ativas no mercado de trabalho" e ainda afirmou que a não obrigatoriedade de usar o véu estimulou também o corte curtinho em mulheres.

Influência religiosa

Responsável por imposições culturais às mulheres, a influência religiosa está sendo amplamente desmobilizada no governo do príncipe de 36 anos, Mohamed. Atualmente, as mulheres sauditas podem assistir a concertos ou competições esportivas junto aos homens, dirigir e viajar sem pedir permissão a um familiar masculino, segundo o Extra.

Essas reformas também são acompanhadas por uma forte repressão às vozes que discordam, principalmente das militantes dos direitos das mulheres. O país, mesmo evoluindo, segue sendo considerado autoritário por ONGs internacionais. Tradicionalmente, a Arábia Saudita proibiu os homens de "imitar as mulheres" ou usar roupas femininas, e vice-versa.