Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

"Não há chance de pena de morte", diz advogado de jovem presa na Tailândia

A brasileira Mary Hellen Coelho foi flagrada com malas cheias de cocaína em aeroporto tailandês

Redação Publicado em 23/02/2022, às 10h30

Mary Hellen, jovem que está presa na Tailândia - Divulgação / Arquivo pessoal
Mary Hellen, jovem que está presa na Tailândia - Divulgação / Arquivo pessoal

A brasileira Mary Hellen Coelho da Silva, que se encontra presa na Tailândia desde que foi flagrada transportando cocaína no aeroporto de Bangkok, na segunda-feira, 14, não corre o risco de ser condenada à morte. A afirmação foi feita pelo novo advogado contratado pela família, Telêmaco Marrace.

De acordo com o criminalista, o maior medo dos familiares e amigos da jovem, que tem 22 anos, é de que ela seja condenada à pena de morte. No entanto, tal condenação é bastante improvável.

"Na Tailândia, não se aplica esse tipo de punição no tipo de droga que ela estava levando, que possivelmente era cocaína. A última legislação do país diz claramente que apenas o tráfico de heroína gera essa condenação", disse Marrace, conforme informações do UOL.

Além disso, o profissional ressaltou que Mary Hellen não tem passagens pela polícia por nenhum crime. Logo, tudo leva a crer que ela tenha sido usada como "mula" e que não tinha conhecimento do que levava nas bagagens.

"Eu creio que essa menina foi fisgada. É o termo chamado "angel fisherman", ou seja, o anjo pescador. É muito comum emissores de traficantes atuarem em baladas e redes sociais aliciando mulheres em situação de vulnerabilidade financeira ou emocional", explicou o advogado.

"Eles se pintam de príncipes encantados prometem mundos e fundos e levam essas moças para as armadilhas. São eles que preparam as malas. Acredito que foi isso que aconteceu com a Mary Helen", prosseguiu Telêmaco Marrace.

O advogado ainda destacou que a quantidade de droga encontrada com a mulher é pequena para os padrões do país.

"Era uma quantidade de drogas pequena [com ela], apenas nove quilos e meio. Não é alta para os padrões de lá. Acredito que ela deva cumprir uma pena intermediária, ficando alguns anos presa, apenas cinco", disse ele.