Notícias » Astronomia

NASA abrirá pela primeira vez amostras trazidas da Lua quase 50 anos após missões da Apollo

O estudo faz parte do programa Apollo Next da agência espacial, que pretende enviar novamente o homem à lua até 2029

Alana Sousa Publicado em 13/03/2019, às 13h40

Apollo 17
Apollo 17 - Reprodução

A NASA selecionou duas equipes para analisar amostras da Lua obtidas pelas missões da Apollo quase 50 anos após terem sido recolhidas.

Alguns resultados coletados a partir de alguns programas espaciais nunca foram abertos na Terra, enquanto outros foram armazenados em câmara fria. Os cientistas do Centro de Vôos Espaciais Goddard da NASA vão investigar as amostras lunares para compreender melhor a abundância de compostos orgânicos na Lua e como esses materiais resistem aos efeitos dos raios cósmicos.

A análise faz parte do novo programa da agência espacial, o Apollo Next Generation Sample Analysis (ANGSA). Ele servirá como apoio científico antes das próximas missões lunares, planejadas para o fim da década de 2020.

“É um privilégio ter acesso a essas amostras especiais e esperamos contribuir não apenas para aumentar nosso conhecimento da química lunar, mas também para melhorar nossa compreensão de como preservar melhor as amostras retornadas por futuras missões da NASA”, declarou Jamie Elsila, investigador principal da equipe que estuda compostos voláteis e possíveis precursores de aminoácidos da NASA.

A agência já havia declarado no início de 2019 que pretende enviar uma missão tripulada para a Lua até 2029, como parte do novo programa Apollo Next.