Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Espaço

Nasa planeja construção de linha férrea flutuante na Lua para envio de carga

A agência espacial planeja a possível linha férrea para transportar combustível a uma base lunar sustentável em futuro próximo; confira!

Imagem ilustrativa da Lua - Foto de wirestock, via Freepik
Imagem ilustrativa da Lua - Foto de wirestock, via Freepik

Denominada "Flexible Levitation on a Track (FLOAT)", ou "levitação flexível em pista", a nova iniciativa da NASA tem como objetivo construir o primeiro sistema ferroviário na Lua na década de 2030. Esta tecnologia visa oferecer um transporte "confiável, autônomo e eficiente" para a carga de combustível que será enviada ao satélite natural nos próximos anos.

O sistema FLOAT planeja utilizar robôs magnéticos não motorizados capazes de levitar em uma trilha de três camadas. A primeira camada, feita de grafite, cria a levitação diamagnética; a segunda, composta por um circuito flexível, gera impulsos eletromagnéticos que controlam o movimento dos robôs ao longo do trajeto; e a terceira camada consiste em um circuito com painéis solares para fornecer energia à base.

Um sistema de transporte robótico durável e de longa vida será fundamental para as operações diárias de uma base lunar sustentável depois de 2030, conforme previsto no plano Lua a Marte da NASA e em conceitos de missão como as Operações Robóticas da Superfície Lunar 2”, disse Ethan Schaler, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, para o Globo.

Redução de riscos

Em uma fase posterior, o objetivo será reduzir os riscos associados à fabricação, implantação, controle e operação de longo prazo de robôs em escala métrica e trilhos em escala quilométrica, que, segundo Schaler, são cruciais para apoiar as atividades de exploração humana na Lua.

“Os robôs FLOAT não têm partes móveis e levitam sobre os trilhos para minimizar a abrasão/desgaste da poeira lunar, ao contrário dos robôs lunares com rodas, pernas ou trilhos”, continuou Schaler.