Notícias » Estados Unidos

Navio tombado há quase dois anos é alvo de vandalismo nos EUA

Em setembro de 2019, o Golden Ray virou de cabeça para baixo no litoral do estado da Geórgia, com 4,2 mil carros em sua carga

Pamela Malva Publicado em 21/07/2021, às 16h00

Fotografia das equipes de extração removendo o navio Golden Ray
Fotografia das equipes de extração removendo o navio Golden Ray - Getty Images

Em setembro de 2019, o navio cargueiro Golden Ray tombou na costa dos Estados Unidos, enquanto transportava cerca de 4,2 mil carros. Agora, mesmo durante os esforços de remoção da embarcação, ela está sendo alvo de episódios de vandalismo.

De acordo com o UOL, a retirada do navio da Hyundai Glovis da costa da Geórgia tem sido interrompida por diversos obstáculos, como a pandemia do Coronavírus. Acontece que, uma vez retomadas as operações, a equipe de extração ainda percebeu que quatro cabos de amarração de uma barreira instalada pela equipe haviam sido cortados.

Bastante longa e resistente, essa barreira tem o objetivo de impedir que peças e fluidos do navio sejam despejados no mar. O problema é que, segundo Ray McKelvey, o gerente de resposta da Gallagher Marine, as cordas podem ter sido cortadas propositalmente.

"Foram quatro cortes, o que realmente levanta suspeitas", explicou o profissional. Nesse sentido, ele acredita que podem ter sido os pescadores locais os responsáveis pelo vandalismo, já que eles estariam insatisfeitos com a extensão da barreira.

O pessoal de resposta ambiental notou cabos danificados em seções específicas da barreira, perto de Bird Island na terça-feira, o que não era característico do desgaste típico da ação da corrente e das marés", explicou o site Saint Simons Sound Incident Response.

Da mesma forma, McKelvey não acredita que a tempestade tropical Elsa tenha sido responsável pelo rompimento dos cabos. Isso porque a barreira foi removida pouco antes do episódio e realocada algum tempo depois, justamente para não ser danificada.

Agora, apesar do vandalismo, que foi considerado um verdadeiro contratempo, as equipes de extração decidiram seguir com as operações. Por enquanto, ainda existem outros três segmentos da embarcação que devem ser removidas do litoral.