Notícias » Arqueologia

Neandertais tinham práticas funerárias semelhantes a de humanos, explica estudo

Conclusão foi feita segundo estudo de restos mortais de uma criança de dois anos de idade que morreu há cerca de 41 mil anos

Fabio Previdelli Publicado em 09/12/2020, às 15h00

Ilustração de neandertais
Ilustração de neandertais - Getty Images

Os restos mortais de um Neandertal de dois anos, que morreu há cerca de 41mil anos, foram colocados cuidadosamente em uma cova coberta com solo fresco. Isso foi o que conclui um estudo feito por pesquisadores franceses que foi publicado recentemente na revista Scientific Reports

O esqueleto da criança foi desenterrado em 1973, em um abrigo de pedra na escavação de La Ferrassie, em Savignac-de-Miremont, Dordogne, sudoeste da França. Porém, os restos só foram reexaminados recentemente, quando os pesquisadores também visitaram o local da escavação original.  

Local das escavações/ Crédito: Divulgação

 

Com isso, a primeira evidência de um sepultamento de Neandertal na Europa, corroborou para a noção de que as práticas funerárias não são exclusivas de nossa espécie.  

A excursão também permitiu que o paleoantropólogo Antoine Balzeau, do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica, e seus colegas, encontrassem 47 novos ossos pertencentes a La Ferrassie 8 — como foi apelidada a criança —, que não tinham sido identificados na época. 

Eles determinaram que La Ferrassie 8 foi colocada em uma camada que foi titulada em uma direção diferente da dos sedimentos circundantes — de modo que a cabeça da criança ficou elevada. Eles também notaram que seus ossos foram encontrados em suas posições anatômicas. 

Pesquisador classifica as amostras coletadas no local de La Ferrassie/ Crédito: Divulgação

 

Além disso, descobriu-se que os restos mortais da criança estavam mais bem preservados do que os ossos de bisões e outros herbívoros encontrados nas proximidades — o que sugere que o indivíduo tinha sido rapidamente, e deliberadamente, enterrado após sua morte. 

Os pesquisadores também concluíram que a camada de sedimentos em que a criança foi enterrada, era mais ‘fresca’ do que os sedimentos circundantes — sugerindo que foram usados para encher uma sepultura onde La Ferrassie 8 foi colocada.