Notícias » Afeganistão

No Afeganistão, crianças são arremessadas por cima de arame farpado para militares

Afegãos desesperados tentaram entregar seus filhos a soldados no aeroporto de Cabul: “Elas gritavam 'salve meu bebê' e jogaram os bebês em nós”

Redação Publicado em 19/08/2021, às 10h49

Criança sendo transportada do lado de fora do aeroporto de Cabul, Afeganistão
Criança sendo transportada do lado de fora do aeroporto de Cabul, Afeganistão - Divulgação/Twitter/@mattczeller

O domínio do Talibã no Afeganistão após 20 anos está fazendo com que pais e mães tentem fazer com que seus filhos deixem o território a qualquer custo.

Vídeos publicados nos últimos dias nas redes sociais mostram situações extremas enfrentadas pelos afegãos, via O Globo.

As imagens mostram crianças e bebês sendo passados de mão em mão em uma multião do lado de fora do aeroporto de Cabul, capital do país. Segundo relatos de soldados, os pequenos afegãos chegaram até mesmo a ser arremessados pelos pais por cima do arame farpado do local de pouso.

Um paraquedista do Exército britânico disse ao The Independent: “Elas [as mães] gritavam 'salve meu bebê' e jogaram os bebês em nós, alguns deles caíram no arame farpado. Foi horrível o que aconteceu. Ao final da noite, não havia nenhum homem entre nós que não estivesse chorando”.

Outro depoimento foi de um soldado à emissora europeia SKY News. Ele lamentou: “Foi terrível. As mulheres estavam jogando seus bebês por cima do arame farpado, pedindo aos soldados para levá-los. Alguns ficaram presos no arame”.

Embora a situação seja drástica, o secretário de Defesa Ben Wallace destacou em entrevista à Reuters, nesta quinta-feira, 19, que menores de idade não podem ser levados do país sem seus pais. 

“Não podemos simplesmente levar um menor por conta própria. A criança foi levada porque a família também será levada. É muito, muito difícil para aqueles soldados, como mostram as filmagens, lidar com algumas pessoas desesperadas, muitas das quais estão apenas querendo deixar o país”, alertou Wallace.