Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Corredor da morte

No corredor da morte, condenado faz pedido antes de ser executado

Ramiro Gonzales quer realizar um último desejo antes de receber sua pena de morte

Redação Publicado em 06/07/2022, às 15h04

Ramiro Gonzales em entrevista - Divulgação/ Youtube/ Death Penalty Action
Ramiro Gonzales em entrevista - Divulgação/ Youtube/ Death Penalty Action

Ramiro Gonzales, de 39 anos, está no corredor da morte de uma instituição penitenciária do estado norte-americano do Texas devido a um homicídio que cometeu em 2001. A sua execução por injeção letal, por sua vez, foi agendada para o próximo dia 13 de julho, mas, antes disso, o detento quer fazer uma boa ação. 

Através de seus advogados, que enviaram uma carta ao governador estadual, Greg Abbott, o preso pediu que a data fatal fosse adiada a fim de que pudesse doar um de seus rins para uma pessoa em necessidade. 

Como Gonzales possui um tipo sanguíneo relativamente raro, o ato seria particularmente importante, já que ajudaria uma lista de espera de órgãos que costuma ser menos beneficiada que outras. 

Atitude nobre

A ideia da doação chegou até o detento através de uma correspondência deCantor Michael Zoosman, um homem judeu que é ativista contra a pena capital e estava escrevendo para presos do corredor da morte após ficar sabendo que um membro de sua sinagoga precisava de um transplante de rim. 

Ele [Ramiro] estava muito ansioso para aprender sobre as ideias judaicas sobre perdão e arrependimento”, relatou o religioso, conforme repercutido pela The Independent. 

A correspondência enviada pela equipe de defesa do preso para o governador do Texas, aliás, conta com uma mensagem que Zoosman, em que ele garante que Gonzales, com quem manteve comunicação durante alguns meses, não está apenas tentando adiar o fim de sua vida. 

Em uma conversa realizada na quarta-feira passada, 29, com Keri Blakinger, da organização jornalística sem fins lucrativos conhecida como "The Marshall Project", o prisioneiro explicou os pensamentos por trás de sua decisão nobre: 

Quando você pega algo tão precioso do mundo, como você paga isso de volta? [...] Como posso devolver a vida? Esta é provavelmente uma das maneiras mais próximas de fazer isso. Eu não quero dizer que isso está salvando a vida de alguém, mas está impedindo que alguém morra", afirmou Ramiro na ocasião.

O homem foi condenado por sequestrar, estuprar e assassinar Bridget Townsend, uma jovem que tinha, então, apenas 18 anos.