Notícias » Internacional

No futuro: Luto nacional após a morte de Elizabeth II envolverá blecaute nas redes sociais

O documento foi repercutido pela imprensa britânica nesta sexta-feira, 3

Luíza Feniar Migliosi, com supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 03/09/2021, às 17h23

Rainha Elizabeth II em 2017
Rainha Elizabeth II em 2017 - Getty Images

A operação de segurança do governo do Reino Unido para gerenciar as consequências imediatas da morte da Rainha Elizabeth II inclui blecautes oficiais nas redes sociais e proibição de retuítes, de acordo com o jornal The Guardian.

O plano recebeu o codinome Operação London Bridge, que foram revelados pela primeira vez em um Guardian Long Read em 2017 e, agora, foram vistos na íntegra pelo site Politico. O documento detalha a escala dos preparativos para o funeral e as ansiedades do governo sobre os recursos que o Reino Unido tem para executar.

A estratégia de mídia social desempenha um papel importante, que inclui planos para mudar o site da família real para uma página negra com uma curta declaração confirmando a morte da Rainha, enquanto o site gov.uk e todas as páginas de mídia social do governo exibirão uma faixa preta. O conteúdo classificado como “não urgente” não será publicado e os retuítes serão proibidos, a menos que seja autorizado pelo chefe de comunicações do governo.

O caixão da Rainha seria levado em procissão do Palácio de Buckingham ao Palácio de Westminster, onde ficará sobre uma caixa elevada, que será aberta ao público 23 horas por dia durante três dias. Os ingressos com um intervalo de tempo serão emitidos para VIPs.

O funeral estadual será realizado 10 dias após sua morte e anunciado como um “dia de luto nacional”, mas não será um feriado oficial. O primeiro-ministro será informado por um funcionário público com a frase “a ponte de Londres caiu”, enquanto a morte será anunciada por meio de um noticiário no canal PA Media.

Além disso, a Operação Spring Tide, que estabelece como Charles irá assumir o trono, também está no documento, assim como as preocupações do Ministério das Relações Exteriores sobre como providenciar a entrada de um número significativo de turistas, do Departamento de Transporte sobre a superlotação na capital e do Ministério do Interior sobre como lidar com potenciais alertas de terrorismo.