Notícias » Arqueologia

No Marrocos, cientistas identificam fósseis de três pterossauros de 100 milhões de anos

Uma das espécies encontradas, que tem o nome de Anhanguera, já foi documentada no Brasil

Pamela Malva Publicado em 25/03/2020, às 16h40

Ilustração do pterossauro dentado da espécie Anhanguera
Ilustração do pterossauro dentado da espécie Anhanguera - Megan Jacobs

Durante escavações no sudeste do Marrocos, na África, arqueólogos identificaram mais três novas espécies de pterossauros dentados. Segundo os especialistas, o répteis voadores teriam vivido no período Cretáceo, há 100 milhões de anos.

A partir dos fósseis dos animais, a equipe internacional de cientistas da Universidade Baylor Publicado desenvolveu um estudo, publicado na revista Cretaceous Research. Segundo a pesquisa, os pterossauros africanos se mostraram bastante semelhantes a indivíduos da mesma espécie encontrados em outros continentes.

Os ossos dos répteis ainda mostraram que esses pterossauros voaram entre a América do Sul e a África, em um movimento semelhante à migração feita por aves modernas. Suas características também são parecidas com pássaros atuais.

Imagem meramente ilustrativa de pterossauros / Crédito: Wikimedia Commons

 

De acordo com Megan L. Jacobs, candidata a doutorado em geociências na Baylor University, os pterossauros pesavam muito pouco. “Com os ossos finos como papel e corpos cheios de ar, eles eram muito parecidos com pássaros”, explica.

A nova descoberta aumentou para cinco o número de pterossauros encontrados na história. Entre os identificados atualmente, uma espécie também foi registrada no Brasil sob o nome de Anhanguera. O mesmo aconteceu com o Ornithocheirus, que já havia sido documentado na Inglaterra e no meio da Ásia.

A seguir, os fósseis analisados pelos cientistas da universidade poderão ser vistos em um museu marroquino. As espécimes, que atingiam 3 metros de envergadura, estarão disponíveis para visitação assim que os estudos forem concluídos.