Notícias » Crimes

Norueguês responsável por ataque terrorista à mesquita se declara inocente

Philip Manshaus se defendeu afirmando que se tratava de uma ação de “justiça de emergência”; segundo a acusação, seu objetivo era "matar tantos muçulmanos quanto possível"

Isabela Barreiros Publicado em 07/05/2020, às 14h02

Porta da mesquita atacada por Philip Manshaus
Porta da mesquita atacada por Philip Manshaus - Wikimedia Commons

O autor do ataque terrorista a uma mesquita na capital da Noruega, Oslo, se declarou inocente no tribunal para o início do seu julgamento. Ele é acusado de homicídio e ato terrorista pelo conflito causado no dia 10 de agosto do ano passado.

Philip Manshaus, de 22 anos, afirmou que a ação foi um ato de "justiça de emergência", por isso, ele seria inocente. De acordo com a acusação no caso, o objetivo do autor do crime era "matar tantos muçulmanos quanto possível". Além disso, afirmam que a motivação foi racista e inspirada no ataque à Christchurch, na Nova Zelândia, que matou 51 pessoas.

A polícia afirma que encontrou na residência do suspeito o cadáver de sua meia-irmã, Johanne Zhangjia Ihle-Hansen, de 17 anos e ascendência chinesa. Ela foi morta com três tiros na cabeça e outro no peito.

Manshaus se dirigiu até a mesquita, que celebrava o Eid-al-Adha, próxima a sua casa carregando uma câmera, uma espingarda e uma escopeta. Além disso, usava um capacete e um colete à prova de balas. Ele disparou quatro vezes na porta de vidro do local e teve um confronto físico com um homem que frequentava a cerimônia. O ataque não resultou em nenhuma morte.

Acredita-se que o julgamento dure até pelo menos 26 de maio e o réu pode ser condenado a até 21 anos de prisão.