Notícias » Reino Animal

Nos Estados Unidos, família se confunde e adota coiote pensando ser um cachorro

O animal foi resgatado após a família o encontrar vagando ao lado de uma estrada movimentada

Redação Publicado em 09/05/2022, às 14h27

O coiote resgatato pela família em Massachusetts, nos EUA
O coiote resgatato pela família em Massachusetts, nos EUA - Divulgação/Cape Wildlife Center

Um animal estava vagando ao lado de uma estrada movimentada no estado americano de Massachusetts quando foi resgatado por uma família, que decidiu levá-lo para casa ao pensar que se tratava de um cachorro de rua.

No entanto, eles se surpreenderam ao descobrir que o suposto cãozinho era, na verdade, um coiote. Foi então que decidiram chamar especialistas do Cape Wildlife Center em Barnstable para conseguirem ajuda.

“Ele foi levado para casa acidentalmente por uma família local depois que o identificaram erroneamente como um filhote perdido. Depois de perceber sua confusão, eles nos chamaram para obter assistência”, explicou a instituição em nota.

O centro acrescentou: “Com a ajuda do departamento de saúde pública de Mass, fomos capazes de determinar que não havia risco potencial de exposição à raiva, e conseguimos liberá-lo para cuidados e concedemos permissão para reabilitação pela Mass Wildlife”.

Como reportou o jornal The Guardian, o coiote foi encontrado “vagando e angustiado ao lado de uma estrada movimentada” e parece ter se separado de sua família ainda muito novo para conseguir se cuidar sozinho.

Ele está sendo cuidado pelo Cape Wildlife Center em uma ala de isolamento e contará com um irmão adotivo, que deve chegar em breve para viver junto com ele em uma gaiola ao ar livre após a vacinação.

“Eles serão criados juntos e terão a chance de crescer e aprender comportamentos naturais. Trabalhamos duro para dar a eles o máximo de educação natural possível”, explicou a instituição.

“Somos gratos a todas as pessoas que tiram um tempo do dia para ajudar a vida selvagem quando precisam, mas sempre incentivamos as pessoas a ligar para os recursos apropriados antes de intervir”, completou.