Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / EUA

Nos EUA, médico é preso por vender kit covid com cloroquina

O profissional prometia um medicamento milagroso

Redação Publicado em 31/05/2022, às 07h13

O médico Jennings Ryan Staley - Divulgação / Redes Sociais
O médico Jennings Ryan Staley - Divulgação / Redes Sociais

Um médico foi condenado à prisão pela Justiça dos Estados Unidos por contrabandear hidroxicloroquina e colocar o medicamento em um "kit covid" que ele revendia dizendo ser a "cura" para a doença. A substância nunca teve eficácia comprovada contra a Covid-19.

Jennings Ryan Staley, que, em 2021, se declarou culpado pelo crime de importação ilegal, permanecerá preso por 30 dias e, posteriormente, passará um ano em prisão domiciliar. Ele também chegou a admitir que tentou contrabandear da China um barril com 11 quilos de pó de hidroxicloroquina com o rótulo de "extrato de inhame". O pó era colocado em cápsulas para revenda.

Segundo o portal de notícias UOL, o norte-americano ainda buscou investidores para seu negócio com a promessa de "triplicar o seu dinheiro em 90 dias".

Investigação e decisão da Justiça

Conforme a publicação, a polícia deu início às investigações após receber denúncias de pessoas preocupadas com a campanha de marketing do médico.

"De acordo com as admissões em seu acordo de confissão, Staley descreveu seus produtos — que incluíam a hidroxicloroquina — como uma cura 'cem por cento', uma 'bala mágica', uma 'arma incrível' e 'quase bom demais para ser verdade'", disse a Justiça.

"Em conversas com um agente disfarçado do FBI se passando por um cliente em potencial, Staley afirmou que os produtos forneceriam pelo menos seis semanas de imunidade", prossegue o relatório.

No fim, o juiz responsável pelo processo, Gonzalo P. Curiel, exigiu não apenas a prisão do réu, mas também o pagamento de uma multa no valor de US$ 10 mil, o equivalente a R$ 47,5 mil.

Além disso, o magistrado ordenou a retenção de bens financeiros do profissional de saúde no valor de US$ 4 mil, a fim de estornar o valor gasto pelo agente disfarçado do FBI na compra do kit covid.