Notícias » Brasil

Movimento de extrema-direita reivindica ataque à sede do Porta dos Fundos

Em vídeo, membros do 'Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira' afirmam que o ato ''buscou justiçar o povo brasileiro contra a atitude blasfema, burguesa e antipatriótica”

Fabio Previdelli Publicado em 26/12/2019, às 11h00

Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira assume ataque a sede do Porta dos Fundos
Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira assume ataque a sede do Porta dos Fundos - Reprodução

Um suposto grupo integralista de extrema-direita assumiu na madrugada desta quarta-feira, dia 25, o atentado — que foi feito com coquetéis molotov — contra a sede do grupo humorístico Porta dos Fundos, no Humaitá, Zona Sul do Rio de Janeiro, que ocorreu na véspera de Natal.

No vídeo, disponibilizado na deep web e depois compartilhado nas redes sociais, integrantes do denominado “Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira” assumem o ato como uma forma de represália e de “justiçar o povo brasileiro contra a atitude blasfema, burguesa e antipatriótica” do especial de Natal ‘A Primeira Tentação de Cristo’, que foi produzido pelo grupo e está disponível na Netflix.

Cena do especial de Natal ‘A Primeira Tentação de Cristo’ / Crédito: Divulgação Netflix

 

“Nós do Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira reivindicamos a ação direta revolucionária que buscou justiçar os anseios de todo povo brasileiro contra a atitude blasfema, burguesa e antipatriótica que o grupo de militantes marxistas culturais Porta dos fundos tomou quando produziu seu especial de natal a mando da mega corporação bilionária Netflix, deixando claro para todo o povo brasileiro, mais uma vez, como o grande capital anda de mãos dadas com os ditos socialistas”, dizia um dos homens que teve sua voz alterada para dificultar que fosse identificado.

Nas imagens divulgadas pelos criminosos, três homens aparecem com os rostos cobertos por balaclava, vestidos com uma camisa verde com símbolos integralistas (nacionalistas) no braço, com uma bandeira com o símbolo do movimento ao fundo e outra do Brasil da época do império sobre a mesa.

Um deles, o que estava sentado, lê a declaração em que reivindica a autoria do atentado. Segundo o grupo, os atos são uma “ação direta revolucionária” e uma maneira de “justiçamento”. O homem ainda afirma que o grupo humorístico tem o intuito de “destruir o nosso povo, nossas crenças, nosso patrimônio imaterial, com o intuito de nos enfraquecer”.

“Temos o prazer de declarar que as inquietações advindas do espírito popular hoje foram parcialmente satisfeitas. O Porta dos Fundos resolveu fazer um ataque contra a fé do povo brasileiro se escondendo atrás do véu da liberdade de expressão. Temos o prazer de declarar que as inquietações advindas do espírito popular hoje foram parcialmente satisfeitas. O Porta dos Fundos resolveu fazer um ataque contra a fé do povo brasileiro se escondendo atrás do véu da liberdade de expressão”, declarou.

A gravação também mostra o suposto momento em que os coquetéis molotov são acesos e jogador por cima do muro da sede do Porta dos Fundos. As chamas se espalharam pelo edifício, mas, segundo informações da empresa, o fogo não se espalhou pelo local por ter sido contido por seguranças.

“Hoje, a sede do Porta dos Fundos foi justiçada. Uma vez que a Justiça brasileira, a modo de judas, vendeu uma sentença ilegal a favor da Netflix, uma corporação bilionária”, completou um dos homens na gravação.

Imagem usada pelo Portas do Fundo para repudiar o ataque terrorista / Crédito: Reprodução Twitter

Ataques anteriores

Este não teria sido o primeiro atentado realizado pelo grupo. Em dezembro de 2018, o Comando teria admitido ser o responsável pelo furto de bandeiras antifascistas que estavam hasteadas no campus da UniRio, no bairro de Botafogo. Na época, a autoria do ato também foi reivindicada em um vídeo, que mostravam membros da facção queimando as bandeiras roubadas.

Repúdio aos ataques

Em nota, os integrantes do Porta dos Fundos afirmam que estão "confiantes que o país sobreviverá a essa tormenta de ódio e o amor prevalecerá junto com a liberdade de expressão”.

Em postagens nas redes sociais, o humorista Fabio Porchat declarou: "Não vão nos calar! Nunca! É preciso estar atento e forte”.