Novos fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto

Arqueólogos israelenses acabam de desenterrar mais uma peça do grande mistério da época de Jesus

Redação AH Publicado em 20/12/2016, às 11h05 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h35

Fragmento dos manuscritos do Mar Morto
Fragmento dos manuscritos do Mar Morto - Domínio Público
Uma equipe da Universidade Hebraica de Jerusalém conduziu uma busca na chamada Caverna das Caveiras, um importante sítio arqueológico no deserto israelense, que data do século 1 - época tanto de Jesus quanto das revoltas contra o Império Romano, que acabariam por levar ao exílio milenar dos judeus. O nome da caverna vem dos sete crânios encontrados no lugar e a busca foi feita com urgência porque saqueadores estavam ameaçando o local.

Entre uma miríade de objetos, como fragmentos de couro, cordas, tecido e até um pente para piolhos, pequenos fragmentos de texto. É uma nova parte dos Manuscritos do Mar Morto, textos do tempo de Jesus achados por um pastor beduíno em 1947. Ainda que não mencionem Jesus pessoalmente, dizem muito sobre a vida na Judeia da época e a seita dos essênios, um grupo separatista que escreveu boa parte deles. Do ponto de vista dos judeus israelenses, o que importa é o relato dos últimos dias em que seu povo ainda tinha um país. 

O manuscrito em questão está bem apagado - tanto que os arqueólogos nem sabem se está escrito em hebraico ou aramaico. A transcrição vai exigir técnicas avançadas de análise. Mas ajudam a montar um quebra-cabeça esclarecedor sobre a sociedade na época. "A coisa mais importante que pode sair desses fragmentos é se pudermos conectá-los com outros documentos que foram saqueados do Deserto da Judeia e têm uma origem desconhecida", afirma o arqueólogo Uri Davidovitch ao jornal Haaretz. Ele acredita que mais deve sair desse veio. "Temos todas as razões para acreditar que há mais manuscritos escondidos. Vários documentos da época dos Romanos e mesmo da Idade do Ferro apareceram recentemente no mercado de antiguidades. Eles devem ter se originado nas cavernas."