Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / São Paulo

Número de crianças e adolescentes vivendo nas ruas da capital paulista dobra em 15 anos

Confira os dados do último censo realizado na cidade de São Paulo

Redação Publicado em 01/08/2022, às 11h32

Criança com a cabeça sobre os joelhos em foto ilustrativa - Imagem de Hunny Taneja via Pixabay
Criança com a cabeça sobre os joelhos em foto ilustrativa - Imagem de Hunny Taneja via Pixabay

Um censo realizado pela Prefeitura de São Paulo revelou que 3.759 crianças e adolescentes vivem atualmente nas ruas da capital paulista, o que significa que houve um enorme aumento, mais do que o dobro, em relação ao número registrado em 2007. Na época, 1.842 menores viviam em situação de rua

Conforme informou o portal da Band, 73% dos jovens que se encontram nas ruas se utilizam delas como meio de sobrevivência, sendo que a grande maioria está concentrada no centro da cidade, em especial a região da República, Sé e Santa Cecília.

Além disso, a pesquisa apontou que 10,7% deste total pernoitam nas ruas enquanto que 16,2% estão abrigados nos Serviços de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (Saica) e em Centros de Acolhida Especial para Famílias.

Perfil das crianças e adolescentes

De acordo com a fonte, o censo constatou que 2.227 (59,2%) crianças e adolescentes atualmente nas ruas são do sexo masculino, enquanto que 1.453 (38,7%) são do sexo feminino. Outras 79 (2,1%) não souberam ou não quiseram informar.

A grande maioria desses jovens se encontra na faixa etária de 12 a 17 anos, sendo um total de 1.585 (42%). Em seguida, estão aqueles que têm até seis anos de idade, sendo 1.151 crianças (30,6%). Outro percentual é o da faixa etária dos sete aos 11 anos, com 1.017 (27,1%). Seis dos jovens (0,2%) que se encontram em situação de rua não quiseram informar a idade.

A fonte ressalta que o censo realizado em 2007 não contou com a colaboração de uma rede de cidadãos informantes, como foi o caso da pesquisa mais recente.