Notícias » Canadá

O que foi divulgado até agora sobre os 215 restos mortais de crianças indígenas encontrados no Canadá

Na semana passada, integrantes da tribo Tk'emlups te Secwepemc divulgaram a descoberta dos cadáveres de 215 crianças indígenas, enterradas em uma escola

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 02/06/2021, às 10h04

Escola Residencial Kamloops Indian, em British Columbia, no Canadá, em meados de 1950
Escola Residencial Kamloops Indian, em British Columbia, no Canadá, em meados de 1950 - Department of Indian Affairs and Northern Development/Library and Archives Canada

Na semana passada, integrantes da tribo indígena Tk'emlups te Secwepemc descobriram a existência 215 restos mortais de crianças enterrados em uma escola da região da Columbia Britânica, no Canadá.

Isso fez com que pessoas ao redor do mundo se comovessem e se atentassem para o genocídio cultural realizado contra os indígenas americanos ao longo dos séculos. 

O primeiro-ministro se manifesta

Segundo o UOL, na última segunda-feira, 31, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, declarou estar "chocado" com a descoberta dos cadáveres na antiga instituição de ensino, a Kamloops Indian Residential School, e com a política de dominação praticada contra as comunidades indígenas no passado.

"Como pai, não consigo imaginar como seria a sensação de ter meus filhos tirados de mim", disse o político durante coletiva. "E como primeiro-ministro, estou chocado com a política vergonhosa que tirou as crianças indígenas de suas comunidades."

Primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau / Crédito: Getty Images

 

"Pense em suas comunidades que nunca mais os viram. Pense em suas esperanças, seus sonhos, seu potencial, tudo o que eles teriam alcançado, tudo o que eles teriam se tornado", disse ele. "Tudo o que foi tirado deles".

O que fará o governo

O canadense anunciou, na última segunda-feira, 31, que faria uma reunião com os ministros à tarde, durante a qual falaria sobre o tema, buscando definir os próximos passos para apoiar os sobreviventes dos colégios internos e a comunidade. "Cavar cemitérios em escolas", disse Trudeau, "é uma parte importante para descobrir a verdade".

Logo em seguida, ele prometeu: "O Canadá estará lá para apoiar as comunidades indígenas enquanto descobrimos a extensão deste trauma e buscamos oferecer oportunidades para as famílias e comunidades se curarem."

Escola Kamloops em 1930 / Crédito: Divulgação/Archives Deschâtelets-NDC

 

Antiga escola para indígenas

A Kamloops Indian Residential School, instituição na qual os restos foram encontrados, foi o maior internato destinado à integração dos povos indígenas do Canadá. Construída no século 19, a escola chegou a ter até 500 alunos matriculados simultaneamente e funcionou entre os anos de 1890 a 1969.

De acordo com o UOL, em torno de 150 mil crianças indígenas, mestiças e inuítes foram retiradas de suas famílias e matriculadas à força em colégios mantidos pela Igreja Católica, sendo que muitas foram abusadas física e sexualmente por autoridades.

Uma comissão de verdade e reconciliação foi capaz de identificar nomes e informações ao menos 4.100 crianças que morreram de abuso ou negligência nessas escolas.

Fachada da escola / Crédito: Divulgação/Global News

 

Infelizmente, estima-se que o número de crianças retiradas de suas famílias seja muito maior do que os dados apontam. A mesma comissão concluiu, em um relatório realizado em 2015, que os abusos cometidos contra nativos em escolas equivalem a um verdadeiro "genocídio cultural'". 

Algumas tinham apenas três anos”, disse Rosanne Casimir, chefe da comunidade indígena. A liderança afirmou que os primeiros resultados da investigação devem ser divulgados neste mês de junho.

Segundo ela, um legista e funcionários que atuam em museus da província também estão auxiliando na investigação das mortes.


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon

Políticas culturais e povos indígenas, de Manuela Carneiro da Cunha (2016) - https://amzn.to/3d2JGZa

Carlisle Indian Industrial School: Indigenous Histories, Memories, and Reclamations (2016) - https://amzn.to/2KOcF6Y

Amazônia Indígena, Marcio Souza (2015) - https://amzn.to/2ZpKbHk

Rebelião na Amazônia, Mark Harris (2018) - https://amzn.to/2rsVa66

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du