Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Stranger Things

O que o homem que inspirou o ‘Eddie’ de Stranger Things acha da série?

Damien Echols falou sobre o que pensa sobre a série ter um personagem baseado na sua história em 'Stranger Things'

Redação Publicado em 20/07/2022, às 10h16

Eddie Munson, interpretado por Joseph Quinn, e Damien Echols - Divulgação/Netflix / Getty Images
Eddie Munson, interpretado por Joseph Quinn, e Damien Echols - Divulgação/Netflix / Getty Images

O escritor Damien Echols se pronunciou sobre sua história ter inspirado o personagem Eddie Munson, interpretado por Joseph Quinn, e parte da trama da quarta temporada de “Stranger Things”.

No Twitter, um seguidor perguntou a ele: “Damien, como você se sente sobre esse personagem sendo criado com base em você? Eu não vi isso, então eu não sei como eles estão retratando você”. Em resposta, Echols escreveu:

“Caso alguém esteja se perguntando, fiquei tremendamente honrado com isso. Eu aprecio muito todos os novos olhos e corações que trouxe para nossa luta. Eu estava assistindo às 3 da manhã, e quando ouvi os primeiros acordes de ‘Master of Puppets,’ meu coração explodiu.”

Essa foi a primeira vez que o autor falou sobre a série ter usado sua história real para construir a narrativa do personagem, como foi confirmado pelo perfil @NetflixGeeked, uma das contas oficiais da Netflix no Twitter, que afirmou que houve uma “vaga” inspiração.

História real

Assim como Eddie, o fanatismo por RPG e metal fizeram com que Echols fosse associado a uma série de assassinatos cruéis que aconteceu em sua cidade natal, West Memphis, no Tennessee, onde administrava um clube de Dungeons and Dragons com os amigos.

Damien foi condenado à morte e outros dois integrantes à prisão perpétua. Sem evidências materiais ou amostras que confirmassem que o grupo realmente esteve nos locais do crime, além da pressão popular, a execução penal foi paralisada.

A investigação foi reaberta em 2010, depois de 18 anos de cumprimento de pena, e foram feitos exames de DNA que comprovaram a inocência dos jovens. Após o caso, Echols se tornou referência nacional no ativismo contra prisões injustas.