Notícias » Ucrânia

O que se sabe sobre o ataque russo em hospital na Ucrânia

Ataques iniciados nesta quinta-feira, 24, marcam o que Putin classifica como 'missão militar especial' da Rússia na Ucrânia

Redação Publicado em 24/02/2022, às 20h45

Registro do ataque em Vuhledar
Registro do ataque em Vuhledar - Divulgação/Facebook/@Павло Кириленко

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, iniciou nesta quinta-feira, 24, o que é classificado como 'missão especial militar' da Rússia na Ucrânia. Diante da invasão russa, desdobramentos estão sendo revelados a todo momento.

Um deles aconteceu em Vuhledar, província separatista de Donestsk. De acordo com o site Pravda News, da Ucrânia, um ataque promovido pela Rússia resultou na morte de quatro pessoas e 10 estão feridas.

O veículo reporta que um hospital foi alvo do ataque por volta das 11h no horário local, através e projéteis.

Como resultado do episódio, seis das pessoas feridas supostamente seriam médicos, contudo, não existem maiores informações sobre o estado de saúde dessas pessoas.

Outro ataque

Vale ressaltar que um ataque russo também foi promovido em Chuhuiv, na Ucrânia, e causou a morte de uma criança de cinco anos. A garota estava no prédio de cinco andares que acabou sendo atingido no ataque. 

Saiba mais aqui.

Invasão na Ucrânia

Após semanas de tensão entre a Rússia e a Ucrânia, o presidente russo Vladimir Putin iniciou o que chamou de 'operação militar especial' da Rússia na Ucrânia, como repercutiu a Fox News nesta quinta-feira, 24. 

De acordo com o veículo internacional, através de um pronunciamento, o presidente da Rússia disse que o confronto com as forças ucranianas é 'inevitável'. 

Tomei a decisão de conduzir uma operação militar especial. Nossa análise concluiu que nosso confronto com essas forças (ucranianas) é inevitável". 

'Consequências'

Putin, que descreve a ação como uma resposta a supostas 'ameaças da Ucrânia', mandou recado para nações que tentarem intervir na 'operação'.

"(...) Algumas palavras para aqueles que seriam tentados a intervir: a Rússia responderá imediatamente e você terá consequências que nunca teve antes em sua história", disse ele.

Segundo levantamento preliminar da Polícia Nacional e o Serviço de Guarda de Fronteiras da Ucrânia, até o momento, ao menos 63 pessoas morreram, entre civis e militares, após a invasão. Além do mais, ao menos 20 militares foram feridos nas cidades Nikolaev, Berdyansk, Skadovsk, Myrhorod e Odessa.