Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Oktoberfest

Oktoberfest vai proibir música 'sequestrada' pela extrema-direita alemã

Organizadores do festival anunciaram que tentarão proibir música que se espalhou pelo TikTok: "Não há lugar para toda essa porcaria de direita na Oktoberfest"

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 28/05/2024, às 14h13

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagem ilustrativa - Getty Images
Imagem ilustrativa - Getty Images

Os organizadores da Oktoberfest de Munique, na Alemanha, afirmaram que farão de tudo para proibir que um sucesso italiano seja tocado no festival. Trata-se do hit L'amour Toujours, de 2021, do DJ italiano Gigi D'Agostino.

O motivo da proibição é que, recentemente, a música está sendo usada por grupos de extrema-direita, que transformaram os versos sentimentais de amor em apologia ao nazismo com o slogan: "Alemanha para os alemães, fora os estrangeiros".

+ Frida: A cantora do ABBA que nasceu de um programa nazista

Conforme repercute o The Guardian, na semana passada, um festival da elite alemã na ilha de Sylt ganhou repercussão pelas imagens das pessoas cantando a versão racista da música, que se tornaram virais recentemente. Espera-se que pelo menos cinco pessoas que estiveram no evento sejam investigadas. 

Com esse pano de fundo, Clemens Baumgärtner, o chefe da Oktoberfest, disse que a música não terá lugar no gigantesco espetáculo de beber cerveja. "Queremos proibi-lo e iremos proibi-lo", disse ele à mídia alemã. 

Não há lugar para toda essa porcaria de direita na Oktoberfest", completou.

Versão racista

O Guardian relatou que as letras racistas surgiram pela primeira vez no outono passado, em um vídeo filmado de uma reunião no estado alemão de Mecklenburg-Vorpommern, onde o filho do prefeito estava entre os que as cantavam. 

Apesar da versão recitada em Sylt seja mais popular, uma centena de variações surgiram nos últimos dias impulsionadas por vídeos virais no TikTok. Especialistas apontam que ativistas de extrema-direita estão explorando e divulgando intencionalmente a nova versão da canção — uma estratégia de recontextualizar e normalizar ideais de direita através de conteúdos da cultura pop.