Notícias » Oriente Médio

ONU diz que conflito entre Israel e Palestina pode virar uma "crise imparável"

António Guterres, o secretário geral da ONU, advertiu as nações na última sexta-feira, 14, exigindo que promovam um cessar-fogo

Giovanna Gomes, sob supervisão de Fabio Previdelli Publicado em 15/05/2021, às 08h02

António Guterres, secretário-geral da ONU
António Guterres, secretário-geral da ONU - Getty Images

O secretário-geral da ONU exigiu, na última sexta-feira, 14, um cessar-fogo aos dois países que, atualmente, protagonizam um enorme conflito no Oriente Médio. Segundo o UOL, para António Guterres, os ataques entre Israel e Palestina podem desencadear uma "crise imparável" e estimular o extremismo.

"As partes devem permitir que os esforços de mediação se intensifiquem com vista a parar imediatamente os combates", declarou o diplomata. A organização ainda considera que apenas uma "solução política sustentável conduzirá a uma paz duradoura". Também afirma que é necessário prestar ajuda humanitária a todas as pessoas que foram afetadas pelo conflito.

O porta-voz de Guterres, Stephane Dujarric, ressaltou durante uma coletiva que "os combates têm o potencial de desencadear uma crise de segurança e humanitária imparável e de alimentar ainda mais o extremismo, não só nos territórios palestinos ocupados e em Israel, mas em toda a região."

De acordo com dados da ONU, cerca de 12 mil moradores locais, temendo por suas vidas, buscaram proteção contra os bambardeios, muitas delas em escolas administradas pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA).

Conforme Dujarric, houve cortes de energia de 8 a 12 horas por dia na faixa palestina em razão das baixas reservas de combustível. Além disso, em torno de 230 mil habitantes locais têm acesso limitado a água corrente por causa dos cortes de energia e dos danos gerados na rede de abastecimento.