Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / A Mulher da Casa Abandonada

O que explicaria a pomada que cobre o rosto da "mulher da casa abandonada"

Mulher que chocou brasileiros no podcast 'a Mulher da Casa Abandonada' só é registrada com pomada no rosto

Redação Publicado em 06/07/2022, às 16h17

Registro de Chico Felitti publicados no perfil - Divulgação/ Instagram @amulherdacasaabandonada
Registro de Chico Felitti publicados no perfil - Divulgação/ Instagram @amulherdacasaabandonada

"A Mulher da Casa Abandonada", Margarida Bonetti, que está chamando a atenção após sua repercussão no podcast de Chico Felitti para a Folha de S.Paulo recentemente teve o motivo do seu excesso de pomada no rosto, revelado. O porteiro de um imóvel próximo a "casa abandonada", informou que a mulher tem problemas na pele e por isso usa pomada branca.

O homem identificado como Francisco pela reportagem do podcast, é porteiro em um imóvel localizado na rua onde mora Margarida, no bairro Higienópolis, em São Paulo. Segundo ele, conforme repercutido pelo Diário Nordeste, a mulher que aparece com o rosto complemente coberto por creme tem problemas na pele. 

"Ela falou que tem problema na pele. Então, tem que usar direto", disse.

Conhecida como Mari, "a mulher da casa abandonada", apresentou problemas para utilizar a máscara de proteção contra a covid-19 durante sua entrevista para o podcast da Folha, devido ao excesso de pomada em seu rosto. Francisco é uma das únicas pessoas que tem contato com a mulher.

A saga de Margarida

Margarida Bonetti é foragida do FBI há mais de 20 anos por ter mantido uma empregada doméstica em sua casa, em condições análogas à escravidão, nos Estados Unidos. Bonetti se mudou com seu marido, Renê, para o país, no final dos anos 70 e levou consigo uma trabalhadora "dada" por sua família. 

A diarista brasileira viveu com eles por 20 anos sem receber salário e sendo agredida pelos patrões, segundo investigação do FBI. Ela também vivia com fraturas e com os ossos quebrados, mas tinha o atendimento médico negado. Renê e Margarida Bonetti foram condenados a 6 anos de prisão e ela conseguiu fugir para o Brasil.