Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Hospital

Paciente estaria sendo mantida refém em hospital na Turquia

De acordo com família de britânica, a mulher estaria sendo mantida refém por não ter pago a conta do hospital

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 29/05/2024, às 08h18

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
A britânica de 52 anos de idade - Divulgação/Redes sociais
A britânica de 52 anos de idade - Divulgação/Redes sociais

Uma mulher de 52 anos de idade está sendo mantida como refém em um hospital na Turquia devido às despesas médicas não pagas, conforme relatado pela família e divulgado pelo jornal Daily Mail.

Fiona McCusker-Rea deu entrada no hospital na última quinta-feira, 23, após ser encontrada no seu quarto de hotel coberta de sangue. A família explica que ela viajou sozinha em busca de descanso após o falecimento da mãe.

Os diagnósticos de hemorragia gastrointestinal, cirrose hepática e sepse agravam a situação de Fiona. Seus filhos, Cody Wood e Courtney McCusker, estão mobilizando esforços para levá-la de volta ao Reino Unido, tendo Cody viajado até a Turquia para vê-la pessoalmente.

Cody Wood descreveu a situação como se sua mãe estivesse sendo mantida como refém no hospital, pois eles exigem o pagamento integral das despesas médicas, que podem atingir dezenas de milhares de libras.

De acordo com informações do portal de notícias UOL, ele relatou encontrar sua mãe em condições deploráveis, amarrada a uma cama na enfermaria do Antalya Private Life Hospital, além de ter criticado a demora dos funcionários do hotel em atender ao chamado.

Videochamada

Após uma videochamada angustiante, Cody testemunhou a condição crítica de sua mãe, coberta de sangue e sem assistência imediata. Apesar da ambulância ter chegado ao hotel cerca de 40 minutos depois, a equipe médica recusou-se a transferi-la para um dos hospitais estaduais próximos, alegando falta de UTI, o que gerou mais preocupação para a família.

Agora, para repatriá-la, o hospital turco exige condições especiais de transporte, que incluem um jato particular com equipamento médico especializado ou um voo comercial com acompanhamento médico. Cody estima que os custos possam chegar a £ 49 mil, sendo £ 35 mil destinados ao voo e o restante para despesas médicas na Turquia.