Notícias » Nazismo

Palácio polonês pode abrigar depósito secreto nazista com 4 toneladas de ouro

Construção do século 18 era usado como bordel pela SS na Segunda Guerra Mundial

Fabio Previdelli Publicado em 11/05/2022, às 10h41

Castelo polonês do século 18 usado como bordel pelos nazistas
Castelo polonês do século 18 usado como bordel pelos nazistas - polska.org

Em um palácio do século 18, localizado na vila de Minkowskie, ao sul da Polônia, pesquisadores podem ter encontrado um depósito subterrâneo usado por nazistas — na Segunda Guerra Mundial — para esconderem ouro, obras de arte e outras relíquias. 

Afinal, com a ajuda de um georadar, membros da ONG polonesa Silesian Bridge Foundation descobriram um recipiente cilíndrico enterrado a cerca de 3 metros de profundidade. Acredita-se que o espaço possa abrigar até quatro toneladas de ouro nazista

Recipiente cilíndrico enterrado a cerca de 3 metros de profundidade / Crédito: Divulgação/Silesian Bridge Foundation

Enquanto Adolf Hitler esteve no poder, o local era usado como um bordel pela Schutzstaffel (SS), uma organização paramilitar nazista. De acordo com pesquisadores, conforme repercutido pelo Daily Mail, Heinrich Himmler, chefe da SS, teria ordenado que todo o tesouro fosse roubado ao fim do conflito. A ideia seria estabelecer um Quarto Reich. Entretanto, com a derrocada alemã, os itens teriam ficado perdidos embaixo do solo. 

A descoberta

Embora a busca tenha sido iniciada em maio do ano passado, o mistério em torno do deposíto nazista de jóias atravessa décadas. A localização exata vem sendo estudada a anos pelos pesquisadores, que se baseiam em documentos secretos, um diário de um oficial da SS e até mesmo mapas que eles receberam de descendentes de membros da organização.

[Colocar ALT]
Carta escrita por membro da SS/ Crédito: Divulgação/Silesian Bridge Foundation

Entre os arquivos, destaca-se uma carta enviada por um oficial do alto escalão da polícia paramilitar nazista para uma das mulheres que trabalhava no bordel.

Mais tarde, os dois acabaram se tornando amantes. 

"Minha querida Inge, cumprirei minha missão, com a vontade de Deus. Alguns transportes foram bem sucedidos. Os outros 48 baús pesados do Reichsbank e todos os baús de família eu confio a você. Só você sabe onde eles estão localizados. Que Deus a ajude e me ajude a cumprir minha missão", escreveu em uma missiva. 

A descoberta, portanto, seria referente a apenas um destes 'baús', restando outros 47 compartimentos a serem achados. 

Além das toneladas de ouro, os pesquisadores acreditam que outras jóias e itens valiosos possam estar guardados embaixo do solo. O que inclui o chamado “ouro de Breslau”, que desapareceu da sede da polícia no que hoje é a cidade polonesa de Wrocław.

Além do mais, segundo o Daily Mail, o diário também aponta que importantes obras de arte roubadas de uma coleção na França possa estar entre o acervo nazista; o que inclui quadros de Cezanne, Carravagio, Monet, Rafael, Rembrandt, entre outros importantes artistas. 

Muitas destas relíquias podem ter pertencido a alemães que moravam na região e que confiavam seus bens à Schutzstaffel. Principalmente pelo medo de que, com o avanço do Exército Vermelho, esses objetos valiosos pudessem ser saqueados pelos soviéticos. 

A retirada do recipiente

Ao periódico britânico, Roman Furmaniak, que comanda a pesquisa, deu mais detalhes de como ao georadar ajudou na descoberta. "A primeira broca que tivemos mostrou contornos não naturais de um lado. Fizemos uma segunda sonda e recebemos o mesmo resultado do outro lado. Uma terceira sonda atingiu um objeto”.

“As formas e cores mostram anomalias, ou seja, interferência humana no solo. O metal tem uma densidade diferente da terra, e isso é mostrado como uma cor mais escura nas imagens [que pode ser entendida de maneira mais detalhada abaixo]”, completa. 

Esquema que exemplifica a escavação/ Crédito: Divulgação/Silesian Bridge Foundation

Entretanto, agora, a Silesian Bridge Foundation aguarda uma autorização das autoridades locais para terminar de levar o recipiente metálico até a superfície, visto que é possível que os nazistas tenham colocado algumas armadilhas protegendo o compartimento. O processo demorará meses até ser concluído, aponta Furmaniak.