Notícias » Brasil

Para o Ministro da Educação, jovens brasileiros sem fé são 'zumbis existenciais'

Durante evento, Milton Ribeiro disse que atualmente o mundo vive uma fase de "desconstrução de tudo", o que segundo o político deixa os jovens sem motivação

Redação Publicado em 10/09/2020, às 17h03

Fotografia de Milton Ribeiro
Fotografia de Milton Ribeiro - Wikimedia Commons

Nesta quarta-feira, 10, o Ministro da Educação, Milton Ribeiro participou de um evento contra mutilações e suicídios e deu sua opinião sobre os jovens brasileiros. De acordo com o político, uma parte dos jovens do Brasil se tornaram “zumbis existenciais” por não acreditarem em Deus. As informações são da Folha de São Paulo.

Ribeiro — que também é pastor — avaliou o atual cenário do mundo como um período de "desconstrução de tudo", o que segundo ele, deixa os jovens “sem referência ou motivação”.

"Nós temos hoje no Brasil, motivados creio eu, meu diagnóstico, por essa quebra de absolutos e de certezas, verdadeiros zumbis existenciais. Não acreditam mais em nada, desde Deus a política. Eles não têm nenhuma motivação", disse o ministro em seu discurso.

A declaração do político acontece em contrapartida com especialistas que indicam que não há relação entre a religiosidade e suicídio, esses profissionais pedem para que as pessoas tenham cuidado ao espalharem aquilo que eles chamam de “mitos prejudiciais”.

Milton ainda comentou sobre questões filosóficas atribuídas na sala de aula, para ele, a "grande moda dos sociólogos e filósofos" é desconstruir valores e ideias e assim "deixam um vazio".

"Quando olho os livros no Ministério da Educação, livros antigos, vejo algumas críticas que seriam próprias, talvez, para um quase jovem, não para uma criança de sexto ano [...] São discussões e desconstruções históricas que, para mim, não são oportunas naquela faixa etária", afirmou o político.

Milton Ribeiro foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de ministro como uma junção entre a bancada evangélica e o núcleo ideológico da Esplanada dos Ministérios.