Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

As peças da rara espada viking encaixadas após 1.200 anos

Duas peças do artefato forjado em 800 d.C. foram descobertas em anos diferentes na Noruega

Redação Publicado em 09/06/2022, às 14h01 - Atualizado em 11/06/2022, às 08h00

Espada viking descoberta na Noruega - Divulgação/Lise Chantrier Aasen/Stavanger Museum
Espada viking descoberta na Noruega - Divulgação/Lise Chantrier Aasen/Stavanger Museum

Depois de 1.200 anos separadas, duas peças de uma rara espada viking foram finalmente encaixadas de novo, como se fizessem parte de um “quebra-cabeça” bastante simples de ser resolvido na Noruega.

Os dois fragmentos do artefato ornamentado foram descobertos com um ano de diferença. A primeira vez foi no ano passado, quando um caçador de tesouros amador encontrou um pequeno pedaço de metal com seu detector de metais em Stavanger, costa oeste do país.

Embora não tivesse certeza do que havia desenterrado, o homem levou a descoberta até o museu arqueológico local. Foi apenas meses depois que os especialistas perceberam que se tratava de parte de uma enorme espada da Era Viking, quando um segundo fragmento foi descoberto nas proximidades.

Além da espada, a região já contava com descobertas impressionantes; em 1883, arqueólogos se depararam com o túmulo de uma rica rainha viking em um local não muito distante de onde o artefato foi identificado.

Sabíamos que esta área era de especial importância, mas que encontrássemos algo assim foi muito inesperado!", celebrou Håkon Reiersen, chefe interino do departamento de coleção do Museu de Arqueologia de Stavanger.

Espada rara

Detalhes da espada viking encontrada na Noruega / Crédito: Divulgação/Lise Chantrier Aasen/Stavanger Museum

Trata-se "de um tipo raro [de espada], conhecido da Escandinávia, mas também encontrado na Europa Ocidental [nas áreas conhecidas hoje como França, Grã-Bretanha e Irlanda] e Europa Oriental, por exemplo, Hungria”, explicou Ann Zanette Glørstad, arqueóloga da Universidade de Oslo na Noruega, ao portal Live Science.

Segundo a especialista, o punhal pode ter sido forjado Império Franco ou na Inglaterra por volta de 800 d.C., a partir de uma análise de sua ornamentação, que conta com ricos detalhes em ouro e prata — incluindo representações da guarda cruzada e um animal não identificado.

Embora muitas espadas da época tenham os nomes de seus donos inscritos nas lâminas, o dono dessa em questão permanece um mistério, visto que sua lâmina foi perdida e não encontrada por caçadores de tesouro da região.

Só podemos especular a quem pertencia", explicou Glørstad. "No entanto, era uma espada altamente decorativa e impressionante, e deve ter pertencido a alguém com meios para adquiri-la, bem como a alguém que queria demonstrar seu status social”, completou.

Após ter sido finalmente “montada” como um quebra-cabeça, depois de 1.200 anos separadas, as peças da espada ficarão em exibição no Museu de Arqueologia de Stavanger assim que passarem por um processo de restauração e preservação.