Notícias » Crimes

Pedido de Flordelis para não usar tornozeleira eletrônica é recusado

Defesa fez a solicitação alegando "falhas técnicas no equipamento"; a juíza afirmou que os descumprimentos da medida não tiveram justificativas

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 15/07/2021, às 15h29

A deputada federal Flordelis
A deputada federal Flordelis - Divulgação/Instagram/@flordeliscantora

Ontem, 14, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, decidiu não acatar a solicitação feita pela defesa da deputada federal Flordelis, que pedia a revogação do uso de tornozeleira eletrônica da ré. As informações são do G1.

Os advogados alegaram que o pedido foi feito devido a "falhas técnicas no equipamento". Eles afirmaram ainda que tentaram entrar em contato com a central de manutenção por meio de telefones fixos, mas que só conseguiram depois "dezenas de tentativas" via um número particular passado por funcionários.

Por este motivo, a magistrada havia solicitado que a deputada justificasse o descumprimento da medida. Ela apontou que existiam outros problemas relacionados ao uso de tornozeleira eletrônica por Flordelis, que foram reportados “mensalmente”.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Flordelis ⚜️ (@flordeliscantora)

 

"Vale registrar que, embora a ré tenha justificado duas das violações à medida cautelar de monitoramento eletrônico, nos dias 23 de março e 2-1 de maio de 2021, por meio das certidões de fls. 25.016/25.017, este Juízo tem recebido mensalmente a informação de diversos outros descumprimentos, que 'restaram sem justificativa'", escreveu a juíza.

A deputada Flordelis é acusada de matar o marido, o pastor Anderson do Carmo, que foi assassinado no dia 16 de junho de 2019 em Niterói, no Rio de Janeiro, a tiros. Ela responde por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, associação criminosa e falsificação de documentos.