Notícias » Brasil

Pela primeira vez desde 1940, cai expectativa de vida do paulista

Levantamento foi divulgado pela Fundação Seade; confira os resultados

Fabio Previdelli Publicado em 20/04/2021, às 11h05

Uma das avenidas do Cemitério da Consolação
Uma das avenidas do Cemitério da Consolação - Wikimedia Commons

De acordo com um levantamento feito pela Fundação Seade, que foi divulgado hoje, 20, a expectativa de vida diminuiu no estado de São Paulo no último ano. Para se ter uma ideia, só por consequências da pandemia do novo coronavírus, mais de 89 mil paulistas já morreram. 

Conforme explica matéria publicada no G1, essa é a primeira queda desse índice desde quando ele começou a ser calculado, em 1940. Em 2019, a esperança de vida ao nascer no Estado era de 76,4 anos, já em 2020 esse número caiu para 75,4 anos. 

“O rápido aumento dos níveis de mortalidade, com a expansão da pandemia da Covid-19 em todo o território paulista, afetou diretamente os padrões demográficos de longevidade conquistados, resultando em retrocesso ao patamar de vida média observado sete anos atrás, entre 2012 e 2013”, explica a Seade. 

Essa taxa se baseia a partir de tábuas de vida elaboradas por cada área geográfica. Assim, pega-se o número que corresponde a uma geração inicial de nascimentos e calcula-se qual é o tempo cumulativo vivido por essa mesma geração. Assim, o índice de esperança de vida ao nascer é o resultado da divisão desses números, segundo explica a Fiocruz. 

Sendo assim, como a taxa de mortalidade subiu para 12% no estado de São Paulo no ano passado, isso influenciou diretamente para a queda no resultado do índice de esperança de vida ao nascer. Para se ter uma ideia do que representa esse retrocesso, esse número fica entre a média das taxas de 2012 e 2013, com 75,3 e 75,5, respectivamente.