Notícias » Estados Unidos

Pela primeira vez, desde auge da Guerra Fria, navios de guerra entram no Mar Barents, na Rússia

Autoridades norte-americanas explicaram o que está por trás do envio das embarcações

Penélope Coelho Publicado em 05/05/2020, às 11h46

Navio de Guerra norte-americano
Navio de Guerra norte-americano - Wikimedia Commons

Na última segunda-feira, 4, as Forças da Marinha dos Estados Unidos enviaram três navios destróieres para o no Mar de Barents, na costa ártica da Rússia. Essa é a primeira vez que navios da Marinha operam nesta área desde a década de 1980, no auge da Guerra Fria.

“O objetivo da operação é de afirmar a liberdade de navegação e demonstrar integração perfeita entre os aliados", segundo comunicado divulgado pelas Forças Navais dos EUA na Europa.

O Mar de Barents é um local incomum quando o assunto é o recebimento de navios da OTAN. Por isso, a Marinha dos Estados Unidos afirmou ter notificado a capital Russa sobre a operação, segundo eles para evitar percepções errôneas. Em resposta, o Centro Nacional de Controle da Defesa da Rússia informou que a Frota do Norte do país já está monitorando de perto os navios.

Os três destróieres - USS Donald Cook, USS Porter e USS Roosevelt - foram unidos por uma fragata da Marinha Real britânica, HMS Kent. Todos fazem parte da classe Arleigh Burke. Além de serem equipados com mísseis de cruzeiro Tomahawk e possuírem um sistema de defesa antimíssil Aegis.

EUA vs Rússia 

As tensões entre a Rússia e Estados Unidos estão aumentando nos últimos anos. No final do mês passado, alguns jatos da OTAN interceptaram aeronaves militares russas em sua área de uso. Além disso, os norte-americanos também acusaram os russos de colocarem em risco a tripulação de um avião de vigilância da Marinha dos EUA, que voava no espaço aéreo internacional no Mediterrâneo oriental.

A Rota do Mar Norte tem tudo para se tornar uma importante rota comercial, por isso, Moscou está desenvolvendo cada vez mais sua estrutura marítima. Os Estados Unidos por sua vez, já anunciaram que o domínio russo nessa região não será permitido por eles.