Notícias » Estados Unidos

Pela primeira vez em quase 70 anos, execução federal de uma mulher é marcada nos EUA

De acordo com o Departamento de Justiça, Lisa Montgomery deve receber uma injeção letal

Redação Publicado em 14/12/2020, às 09h46

Imagem ilustrativa de uma cela
Imagem ilustrativa de uma cela - Divulgação/Pixabay

De acordo com informações publicadas pela BBC no último sábado, 12, pela primeira vez desde 1953, uma prisioneira federal deve ser executada nos Estados Unidos.

Segundo revelado na publicação, com dados do Centro de Informações sobre Pena de Morte, até então, a última mulher que havia sido executada pelo governo norte-americano foi Bonnie Heady.

Segundo o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a prisioneira em questão é Lisa Montgomery. Conforme divulgado pela BBC, ela deve receber uma injeção letal em 12 de janeiro de 2021, no Estado de Indiana.

O crime

Em dezembro de 2004, Montgomery, saiu de sua casa no Kansas até a residência de uma mulher chamada Bobbie Jo Stinnett, no Missouri. Lisa foi até o local com a desculpa de comprar um cachorro. Mas, a mulher estava mentindo.

Na ocasião, a criminosa estrangulou Bobbie — que na época estava grávida de oito meses —, até sua morte. Em seguida, a norte-americana cortou a barriga da vítima e sequestrou seu bebê. A mulher foi encontrada um dia depois do crime, sua sentença saiu em 2007: o júri optou, por unanimidade, pela pena de morte.

Segundo revelado na publicação, após um longo intervalo sem execuções federais, o governo de Trump decidiu retomar as ações. “O Departamento de Justiça defende o Estado de Direito e devemos às vítimas e suas famílias a execução da sentença imposta por nosso sistema de justiça”, afirmou em nota, o procurador-geral dos EUA.

Outros casos

De acordo com informações publicadas pela BBC, o prisioneiro Brandon Bernard, foi executado na última quinta-feira, 10, em Indiana, Estados Unidos. Segundo revelado na publicação, houve pedido de clemência, mas, a petição foi negada pela Suprema Corte dos EUA.

Bernard tinha 40 anos e foi o criminoso mais jovem executado em quase 70 anos pelo governo federal norte-americano. O homem foi condenado por envolvimento no roubo e assassinato de Todd e Stacie Bagley em junho de 1999. Brandon foi um dos cinco adolescentes envolvidos no crime.

Antes de receber a injeção letal, suas últimas palavras foram dedicadas aos familiares das vítimas: "Sinto muito. Essas são as únicas palavras que posso dizer que capturam completamente como me sinto agora e como me senti naquele dia", disse o prisioneiro, de acordo com informações da agência de notícias Associated Press.

Sabe-se que a além da execução de Brandon, mais quatro execuções já estão marcadas para antes do final do mandato do atual presidente norte-americano, Donald Trump, muitos ativistas são contra a decisão do atual governo e protestaram contra a morte de Bernard.